terça-feira, 30 de setembro de 2008

30 de setembro - Dia da Secretária


Atende o telefone, corre, senta
levanta, verifica a agenda
nada pode esquecer, nunca pode falhar
guardiã revolucionária
É a indispensável secretária!
Digita, senta, levanta, corre,
atende, mente: "Diretor não está!"
mentirinha boba, necessária
de uma eficiente secretária!
E o dia continua, arquiva, atende,
levanta, impecável, sempre sorridente
argumenta sobre qualquer área.
Requisitos da boa secretária!
É o braço direito, o esquerdo, o pé
muitas vezes serve até café
E digita e levanta a toda hora
e as trocentas cantadas ignora
E atende, não xinga, oh paciência
se perde em meio à tanta correspondência
E assim vai seguindo a rotina diária!
E quem vive sem a secretária?

A todas às minhas amigas de profissão o meu parabéns! 

Feliz dia da secretária!

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Au revoir

Malas arrumadas! Coração apertado!
Chegou o grande dia, amanhã viajo pra Natal e com certeza trarei na bagagem muito mais do que boas lembranças e conhecimento adquirido... Quando eu voltar, juro que conto tudo aqui! Então, não sintam muuuuito a minha falta, por que logo estarei de volta!

Aos que vierem por aqui o meu abraço e bem-querer! 

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Sou escrota porque tenho mãe

Hoje estou voltando para casa, para casa da mamãe. E tem coisa melhor do que voltar pra casa da mãe? Como diria Tati Bernardi, eu sou escrota por que tenho mãe.

"Descobri a verdade mais terrível da minha vida: eu sou escrota porque tenho mãe. Se você me visse, visse a pose com que ando pelas ruas, com que brigo em lojas que me atendem mal, com que exijo silêncio da minha vizinha, com que meto meu carro em cima de gente folgada, com que grito com telemarketings, com que dispenso garotos burros. Você diria: aí vai uma menina corajosa, destemida e meio escrota. Talvez muito escrota. (...)"

Minha mãe é uma guerreira, é forte, é valente, é mulher macho sim senhor. Tem personalidade forte, é inteligente e descobriu que queria mais da vida aos 38 anos, quando começou uma faculdade e hoje é formada em Filosofia. 

Todos dizem que sou a cara dela e me orgulho muito disso, minha mãe, além de tudo, ainda consegue ser linda aos 44, depois de 3 filhos. Tá, tudo bem, admito que sou suspeita, mas tenho certeza que não estou exagerando.

 
 Se eu sou escrota, é só porque eu tenho mãe.

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Lei seca: você é a favor ou contra?


Assassinaram o Happy Hour!!! (LEI SECA Nº 11.705, DE 19 JUNHO DE 2008)
Esses caras beberam???

A lei seca não afeta o mais famoso alcoólatra deste país e sabe por quê? Porque EU pago o motorista dele! É... essa lei é mais uma que só afeta os pobres... Se ele bebe mesmo quanto dizem, pelo Principio da Isonomia (CF artigo 5º caput), exijo que esse sujeito passe pelo teste do bafômetro diariamente, antes de sentar-se na cadeira da presidência, afinal, por que ele pode dirigir nossas vidas embriagado (como dizem) e eu não posso dirigir meu carro após tomar UMA cerveja?

Traduzindo está lei, é mais ou menos assim, se um filho não faz seu dever de casa, todos os outros ficam sem TV, entendeu? E lá vou eu, uma cervejeira consciente, que trabalho pra cacildas, cuido da casa, pago meus impostos, etc e etc..., ser privada de mais alguma coisa, por conta de um erro que eu não cometi!!! Eu deveria gostar era de incendiar índio, vencer licitações ilegalmente, roubar a grana pública, afogar calouros de faculdade de medicina... ao menos não seria punida... mas eu tinha que complicar! Eu tinha que gostar justo de algo tão criminoso como tomar UMA cerveja, no fim do dia? Gente! Happy hour com toddynho não vai dar! Além de tudo, agora sou obrigada a fazer prova contra mim mesma (cadê a Constituição???) e se eu me recusar basta o uso da subjetividade da autoridade policial pra que eu me lasque, enterrando de uma vez o principio da presunção da inocência e do direito ao contraditório. É.., isso só serve pro caso Renan, Dilma.

Mas somos versáteis, vamos dar um jeito nisso... A primeira dica é engordar. De acordo com o site do Detran, se você pesa 99 quilos, pode tomar dois copos de cerveja e não atingir o tão temido 0,6%. Que tal aniversários por vídeo conferência? Cada um bebe na sua casa..., mas na hora do parabéns tem que cantar junto, tá? Emergências? Vixe, se você não pode dirigir porque tomou UMA cerveja e vai praticar crime, chame o resgate, mesmo que seja apenas um arranhão, afinal, se pudesse dirigir iria até uma farmácia, como não pode... eles que te levem pro hospital, ou a nova lei me obriga a ter ataduras em casa??? (xi... lá vem uma emenda a lei...) Será que eles não conhecem a omissão de socorro??? Jantar romântico com uma garrafa de vinho, naquele restaurante que marcou a vida de vocês, só se o sogro for buscar, ele vai adorar sair da cama no meio da noite pra ajudar os pombinhos! (como se já não bastasse ele ter ficado com as crianças.).

Não fomos proibidos de beber UMA cerveja, fomos proibidos de voltarmos pra casa... alguns até adoraram a idéia... Não fomos proibidos? Claro que sim, pois ou bem pagamos a cerveja, ou bem pagamos o taxi, as duas coisas não vai dar... Bem que podiam lançar o B.C, o Bolsa Cerveja, a mesma grana que dão pros bolsas tudo, podiam destinar a quem gosta de uma cervejinha no fim do expediente, com essa grana, podiamos pagar o táxi pra irmos pra casa... o que acham? Ou pagar o estacionamento, né? Ou você acha que a Segurança Pública deste País vai cuidar do carro que você deixou estacionado na rua, próximo ao bar que você tomou UMA cerveja e teve que ir embora de táxi... Voltar de carona? É... pena que nem todos moram pras mesmas bandas... mas também se o cara ficar sentado SÓ TE vendo beber UMA cerveja tranquilo e depois ele tiver que se deslocar 30 km da rota dele, enfrentando o trânsito infernal deste País, pra te levar pra casa, você poderá dizer que tem um amigo, mais olha, um grande amigo! Podiam ao menos melhorar o transporte coletivo, né?

Aff! chega de utopias, o assunto aqui é sério... Nem me olhem torto, eu não votei nessa gente e não tenho culpa se eles tem problemas sérios de auto afirmação e precisam radicalizar. Estou sendo punida pela incompetência dos nossos legisladores e do judiciário. O índice de acidentes envolvendo bêbados é elevado (envolvendo NÃO bêbados também), mas não defendo bêbado, quem dirige embriagado tem mais é que se ferrar, expõe a sua vida e a dos outros. A pena pra quem dirige BÊBADO deve ser muito severa, mas daí a punir quem bebeu UMA cerveja, já é demais! Quantas e quantas vidas já foram subtraídas por motoristas embriagados (e NÃO embriagados também), mas eles não foram punidos, isso é uma incompetência dos legisladores e do judiciário. Agora pra puní-los eu tenho que ser punida junto? Nivelaram o povo por baixo... Eu dirijo há mais de vinte anos, sem jamais ter me envolvido em nenhum acidente de carro (só uma raspadinha no portão de casa, mais também ele que se mexeu sem ordem... e foi as 6:30 da manhã, será que foi o cafezinho??? ).

Me diz, por que eu tenho que pagar pelo erro dos outros? Enquanto os taxistas sorriem, todos os demais seguimentos profissionais que gostam de UMA cerveja, choram... Esta semana enterramos o happy hour, a única coisa que sobrava pro sofredor trabalhador brasileiro, era desestressar tomando UMA cerveja no final do dia. Mas valeu! Quem sabe agora o povo vai mais cedo pra casa, cansados, cabeça e sacos bem cheios... Os casais brigam... (separações a vista? hum, to começando a achar que essa lei pode me dar algum lucro...) Pode ser que comecem a ver os noticiários, percebam o lixo que está este País, e repensem seus votos, as eleições estão aí (tô começando mesmo a gostar desta lei!), espero que instalem Lulômetros na porta dos setores eleitorais, pois essa droga sim, fez um baita estrago em nossas vidas. Lindo dia pra todos e lembrem-se se forem votar, não bebam.

Publicado no Recanto das Letras em 30/06/2008 
Código do texto: T1058238

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

CoReS


"Eu ando pelo mundo
Prestando atenção em cores
Que eu não sei o nome
Cores de Almodóvar
Cores de Frida Kahlo...
Cores!"

(Adriana Calcanhoto - Esquadros)

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Um tratado sobre a amizade

Sábado eu estava em casa no tédio com a Gg, ouvindo Víctor e Léo, terminando de ler meu Bridget Jones pela milésima vez e pensando no que escreveria no blog. Pensei em várias coisas, tive até algumas boas idéias, aproveitei primeiro esta, as outras guardei para outras ocasiões. Hoje vou falar de pessoas que amo muito, elas me foram dadas por Deus, são amigas, irmãs de coração.

Primeiro a Carol, ela é nossa tia Carol. Ela é a mais séria de nós, a mais reservada, a mais contida, a mais "tia", por isso o apelido. Não, ela não usa bob's no cabelo e uma camisola de bolinhas, ela é uma tia superfashion, se maqueia como ninguém, tem todas as maquiagens do mundo e me faz rir horrores sempre, com seus comentários sarcásticos e seu humor quase negro. Ela é a gaúcha mais fajuta do mundo, não é loira e nem tem os olhos claros, em vez disso tem lindos cabelos castanhos e olhos quase puxados, tá mais pra japa do que pra polaca. Ela adora praia, caranguejo e ostra, conhece o Piauí e o Maranhão melhor que muitos conterrâneos, dança forró e quando chega no Rio Grande do Sul já se nota o sotaque nordestino, mesmo que ele vá embora na primeira chuveirada. Ela se acha, essa é a verdade, mas o pior é q ela é. É preguiçosa igual a mim e poderia viver de chocolate, embora cozinhe muito bem, quando se dispõe. É a pior chantagista que eu conheço, mas todo mundo sabe que é de mentirinha, a personalidade dela é muito forte. A palavra que melhor a define é segurança.

A Gerusa é a nossa Gg. Não, esse não é o número que ela veste. Mas sim ela come mais do que eu e Carol, embora eu esteja quase do lado dela nesse quesito, mas eu disse apenas "quase". Ela é supergostosa e não tem um pingo de pneuzinho que seja, é toda boa, mesmo não podendo ficar sem comer por mais de três horas. Ela é toda carinho e meiguice, é uma verdadeira companheira. Me espera pra almoçar com ela e dorme do meu lado, às vezes, depois de termos assistido algum filme ou termos ficado conversando até altas horas. Ela adora vestidos, não come carne e conhece todo mundo. O telefone dela não pára e ela sempre atende do mesmo jeito: "Oi, amor" ou "Oi, bebê", exceto, é claro quem não merece essa atenção. Tá sempre disposta pra uma balada e o primeira da fila dela tá ansioso, como ela mesmo diz. Ela é de Cocal e tudo o que conseguiu até aqui foi com muito esforço, mesmo tendo sido considerada má influência e até hoje nós rimos dessa história. A palavra que melhor a define é serenidade.

Nós somos um quarteto, apesar de até aqui o número ser 3. Mas é que existe uma outra pessoa que também faz parte do nosso lar, mesmo não morando efetivamente nele. É a Jaqueline. Ou Jaque, para os íntimos. Ela é a mãe do Gabriel, que ainda nem nasceu, mas já está nas nossas vidas. Ela é um doce, um mimo, uma chata, agora então tudo é pro Gabriel. Ela tem uma das melhores mães do mundo e sempre nos faz inveja. Ela é nossa revendedora Avon preferida e nos leva à falência, mas borra as unhas sempre que pinta de vermelho e eu sempre brigo com ela por isso. Ela não é mais loira, não come besteiras e nem vai mais às festas, por causa do Gabriel. Ela tem uma boca enorme e um sorriso lindo, ela nos contagia com a sua gargalhada, o biquinho dela sempre fica "bicão". Deus sempre esteve com ela e no coração dela, cuidando dela. O minuto em que Ele se distraiu, ela aprontou. Mas vai ver que isso também foi obra d'Ele... Nunca vi menina mais sortuda, nem Gabriel pra ter mais "tios", todo mundo quer ajudar a cuidar. Amigo de verdade a gente conta é pra essas horas. A palavra que melhor a define é carisma.

Quatro vidas unidas pela amizade. Ah, a amizade...

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

O artigo não escrito

Em plena sexta-feira aqui estou eu no final do expediente, pedindo pra minha fada madrinha pros minutos passarem logo. O fim de semana está chegando, mas eu só consigo pensar no meu artigo da especialização, ainda nem comecei e tenho uma semana pra fazê-lo. A entrega é dia 03.10 e estarei em Natal. Ainda tô decidindo sobre o que escrever. É, esse fim de semana não vai ter balada, pelo jeito. E o pior de tudo é estar completamente sem idéias sobre o que escrever. Se eu pego quem inventou esse artigo, aff. Vou rezar pra minha fada madrinha: quero um artigo prontinho na minha frente agora. Detalhe: tem que ser digno de um dez. Fecho os olhos e peço. Abro os olhos. Nada. De novo. Com força e fé. Vai, agora. Nada de novo.

É, pelo jeito não vai ter balada mesmo. O fim de semana me espera implacável. Vou ter que dar meus pulos e escrever um artigo que esteja pronto até o final da semana que vem. E já me contentaria com um sete. Já me contentaria mesmo. Não sei se sou uma aluna mediana ou só preguiçosa mesmo. Ultimamente nada tem me motivado na faculdade e nem na pós. Nada que eu estude tem aquele sabor pra mim. Será que só estou estudando coisas chatas? Ou sou eu mesma que estou precisando criar coragem, arregacar as mangas e ir à luta?
Vem idéiazinha, vem... Vou ter que armar alguma arapuca pra ela...
Alguém aí que vir uma idéia passando, por favor, mande-a pra mim. Não esqueçam, viu? E já vou indo, por que pelo menos os minutos intermináveis já passaram.

Essa minha fada...

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Vocações

Um dia eu quis ser escitora. Foi há algum tempo já, eu era bem mais nova e me imaginava vendendo milhões de exemplares dos meus livros. Era um sonho, mas eu achava que escrevia bem. Vejam só a minha pretensão! Hoje vejo que sufoquei esse meu, digamos, "talento". Ou pelo menos sufoquei o meu sonho. Acho que isso acaba acontecendo com muita gente. Dificilmente, uma criança, quando questionada sobre o que ela será no futuro, vai responder "funcionário público", "auditor fiscal", "juiz de direito"... As crianças são simples, elas falam dos seus sonhos. Elas vão dizer: "policial", "médico", "bailarina". Nada contra os funcionários públicos, auditores fiscais e juízes. Nada mesmo. Até por que eu sou uma funcionária pública, sou secretária executiva e me orgulho do que sou. Amo minha profissão e acredito que sou boa nela. Mas eu sempre lembro dos meus sonhos. Que escritora eu teria sido? Ou será que eu realmente teria todo esse talento que imaginei na minha infância/adolescência?

 É difícil saber que não escreverei um livro, pois eu adorava a máxima que dizia que uma pessoa não poderia passar pela vida sem realizar três coisas: plantar uma árvore, ter um filho e escrever um livro. Hoje me contento com blogs, flogs. Sempre que me dá vontade de escrever, eu recorro a esses métodos. Às vezes eu mesmo acho que ficou bom, outras eu escrevo só porque preciso mesmo, porque tenho necessidade. Mesmo que ninguém leia ou eu mesma ache que ficou "meia-boca". O que eu realmente quero quando escrevo é me soltar, é colocar pra fora as minhas idéias. Hoje não quero mais vender milhões de exemplares de livros, quero apenas que uma ou duas pessoas leiam o que escrevi e gostem, sorriam ou se identifiquem comigo.

Quero apenas poder ser eu mesma. Uma secretária executiva que adora o que faz. E escreve nas horas vagas.

quarta-feira, 17 de setembro de 2008


Cansei de ser romântica e ter que fazer surpresas amorosas. No final das contas, as flores murcham e nem sobra mesmo nada. Agora sei que não adiantam enfeites coloridos. Eu tinha pretensões românticas, eu era uma tolinha apaixonada. Não, não deixei de ser apaixonada, mas tolinha? Bom, eu espero realmente ter aprendido a lição. Então tá, eu confesso, dificilmente vou deixar de ser romântica do dia pra noite, mas vou tentar esconder lá no fundo por que não quero que ninguém mais veja isso. Quero esconder a qualquer custo. Pra que ser romântica se nem uma surpresa eu consigo fazer pra você? Tsc, tsc. 

É, realmente não tem sentido.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Prova de amor

É... Os tempos mudaram mesmo... Rsrsrs...

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Eu vou pra Natal-RN!

Super, mega, ultra, power, giga FELIZ!
Vou pro 5º Congresso das Secretárias das Universidades Brasileiras - CONSUB!
E o melhor, tudo pago pela Ufpi, que nesse momento eu estou considerando o melhor lugar pra se trabalhar no mundo todo!
Dia 30.09 estarei pegando o avião rumo a uma cidade totalmente desconhecida para mim, mas já sei desde já que vou querer voltar!
Natal, aí vou eu!

sábado, 13 de setembro de 2008

Livia's Birthday

Minha amiga querida completa 23 aninhos hoje! Que o Senhor cubra de bençãos sua vida e proteja seu caminho de tudo o que é ruim. Ela é assim, como um diário pra mim, eu não consigo ficar longe dela, esconder, mentir ou omitir qualquer coisa dela. Eu não consigo ficar sem dizer a verdade pra ela, por pior que seja. Ela me conhece. Sabe meus segredos. Ela me entende, me apóia, me segura as pontas. Eu não seria nada sem ela. A maneira que nos conhecemos foi totalmente convencional, num churrasco de aniversário de alguém em comum. Mas o laço que nos uniu mesmo com 420 km nos separando permanece até hoje, depois de anos, vívido e forte em nossos corações. À você, querida amiga, toda a prosperidade do mundo. À nós, a amizade e o bem-querer. Amo você, meu porto seguro.

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Pés.
Nem pequenos, nem grandes.
Mas que me levam para todos os lugares.
Sem eles eu não teria a liberdade de ir e vir.
Eu não poderia sentir as ondas do mar me levando.
Eu não poderia dançar.
Eu não poderia sair correndo com a brisa no meu rosto.
E eu não teria todos os sonhos do mundo dentro de mim.
Eu não teria nem mesmo minhas unhas pintadas de vermelho.

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

11 de Setembro


Há sete anos eu estava sentada no sofá da casa da minha mãe. Eu era uma estudante do 1º ano do ensino médio e minha escola estava de greve. Eu não trabalhava ainda, não tinha contas pra pagar. Eu estava numa terça-feira de manhã, muito tranquila assistindo desenho animado na tv. E eu vi. Vi pelo Plantão da Globo, vi por todos os noticiários, por todos os canais, até por que o desenho que eu estava assistindo não passou mais.

Foi assim por muitos dias, o pânico de novos ataques, o medo da guerra, do desconhecido, dos homens-bomba, de Osama Bin Laden. Depois de sete anos... Não, não mudou muita coisa. Exceto que todos já sabem que a Guerra do Iraque não resolveu os problemas por lá, como George Bush tanto alardeou. Pior, nem mesmo os "daqui", do ocidente, melhoraram em alguma coisa. Continuamos com medo. Da guerra, do desconhecido, dos homens-bomba e de Osama Bin Laden.

As únicas pessoas que realmente sabem o que o 11 de setembro significa são as famílias das vítimas. Pra nós, pra mim e pra você que está lendo esse texto é só mais uma história triste. Como a dos quase 200 mortos no vôo da Tam ano passado. Só quem acaba sofrendo no final das contas é quem perdeu seu pai, mãe, irmão, amiga, esposa. É quem foi pra guerra absurda, de um governante prepotente, de uma nação abalada e voltou com sequelas. É a família de quem nem voltou. 

Meu minuto de silêncio hoje é pra todos vocês que realmente sabem o que siginifica o 11 de setembro.

No ar: Vermelhas Unhas


Eu já tenho um flog, já tenho orkut e até mesmo já tenho um blog. Na verdade o blog não é só meu, é meu e de Adriano, meu namorado, é um blog do casal, pra falar dos nossos sentimentos, da nossa vida em relação ao outro. É um blog muito lindo, muito fofo, mas à vezes sinto falta de escrever sobre outras coisas, sobre qualquer coisa, sobre nada, sobre mim, sobre meus amigos, sobre meus problemas, sobre minha vida... Enfim, já fazia um tempo que eu precisava de um espaço pra mim, pra colocar pra fora as coisas que eu precisava dizer.

Resolvi criar o Vermelhas Unhas por que queria algo que tivesse a minha cara, onde eu tivesse meu espaço.

Agora vou pintar e bordar. Hahaha!