segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Admfest, sempre será a festa da Administração!

Na foto da primeira Admfest: Márcio (vulgo Mamão, por ser, segundo ele, doce e gostoso), Gheysa, Igor (agachado), Fabrício, Jocele, Pedro, eu, Ítalo, Fran, Bel e Juliana Carolina

Para falar dessas pessoas, eu só preciso fechar os olhos e segurar as lágrimas! Ahhh, como eu sinto saudades!

Mas deixa eu explicar melhor o título do post, que eu sei que ninguém está entendendo nada. Não sei se já disse aqui, mas eu já estudava Administração em Teresina, quando me formei em Secretariado Executivo e passei no concurso da Ufpi para Parnaíba. Estava no 3º período quando mudei de cidade e de faculdade, estudava na Uespi e tinha a melhor turma que alguém poderia desejar, nós éramos da Admfest. O que significava que éramos quase um clã, uma família, uma entidade. Nós nos conhecemos todos chegando na Universidade, alguns já faziam outros cursos, outros nem sabiam ainda se o que queriam da vida era aquilo mesmo. Em três dias já estávamos planejando nossa primeira festa, a ADMFEST, que foi realizada na segunda semana de aula, mas apenas porque não deu tempo organizar tudo para a primeira. E a nossa primeira festa, estúdio da casa da Gheysa, ah! como rendeu! Não nos conhecíamos direito, mas como algum poeta já disse: não se faz amigos, reconhece-os! E assim, a convivência se encarregou do resto.

Fechar os olhos me faz lembrar... Tantos bons momentos, tantas aloprações, tantos porres juntos, tantas farras, tantas risadas, tantos segredos, tantas aulas, tantos trabalhos, tantos e tantos...

Gheysa, Juliana, Jocele, eu e Fran

Mas é claro, que não tivemos apenas bons momentos, o que de certa forma, até nos solidificou, nos tornou mais fortes, nos uniu. No 2º período, uma fatalidade nos pegou de surpresa. um de nossos amigos, Fabrício, sofreu um acidente de carro quando voltava de uma festa que ele tinha falado muito a semana inteira, e morreu, com politraumatismo. Ele era o mais jovem de nós e tinha passado em primeiro lugar. Não sabia direito o que queria da vida, mas acreditava que teria toda ela pela frente, assim como todos nós. Nos abalou terrivelmente e a Universidade nos deu dois dias de luto, mas choramos e nos consolamos até que a dor não tirasse mais o nosso sorriso, mas nunca, nunca mesmo deixamos de lembrar dele. O que é mais singular nessa história toda é que a última vez que nos vimos, no último lanche no "pastel" que partilhamos, ele tinha tirado uma brincadeira boba: "Ei, se eu morrer, o nome da turma tem que ser o meu, né?". Ao que um de nós respondeu: "Deixa de ser besta, tu acha que alguém vai querer um nome feio igual ao teu na nossa placa?". E rimos. Como se tudo fosse uma grande piada. O destino às vezes tem mania de ser cruel. E assim, o nome dele será homenageado pela nossa turma. Fabrício da Costa Silva, in memorian.

Fizemos um flog e o mantivemos até algum tempo, mas terminou que ninguém nunca mais o atualizou e ele ficou lá, como uma memória dos bons momentos vividos. A Fran até tentou fazer um blog para as lulús, mas não deu certo porque ninguém escrevia nada!

Dia desses Juliana me ligou, a baixinha mais arretada do mundo, a minha companheira de Skol Beats no BR Mania. Ela estava com Gheysa e Jocele no Salute, lembrando de mim, de nós, de todas as vezes que já bebemos lá, de todas as reuniões das lulús debaixo das mangueiras, de todas as Brahmas tomadas ali. O Salute é como nossa casa, tem a nossa cara, é o nosso lugar. É incrível como sempre me dá um nó no peito e meus olhos enchem de lágrimas ao lembrar que eu não estou mais lá e que, por mais que eu não queira, não é a mesma coisa e não posso estar com eles sempre que eu quero. A Juliana é a baixinha mais zangada e mulher macho-sim-senhor que eu conheço, ela é danada e quando eu crescer quero beber igual a ela! Nós nos entendíamos perfeitamente, éramos cúmplices. Uma paradinha no BR Mania era com a gente mesmo, só pra tomar umas Beats, conversar um pouco sobre a vida e os namorados, e ir pra casa mais feliz. Ela é super delicada, uma "flor" de candura, hahaha, com um tamanho desses, até que dá pra acreditar! Uma pessoa que tem muita garra, dedicação e determinação pelo que quer! Sempre foi muito esforçada e batalhadora... E tenho certeza que ela vai conseguir tudo o que deseja, porque essa baixinha tem sangue no olho!

A Franciane (Francicleide, Francinúbia, Francirelli, Francisca, como tanto a atentava o Mamão... Kkkkk!) é muito meiga, mas deusmelivre da língua dela, quando ela não gosta de alguém, sai de baixo! E bêbada, então? Não tem quem aguente! Segure o seu nariz! Mas era maravilhoso chegar na sala de aula, diretamente de Harvard, com minhas bolsinhas multicoloridas, super discreta como sempre, e sentar-me ao seu lado e fofocar tuuudo! Rir até a barriga doer, fazer os trabalhos chatos, colocar apelidos nos outros, sofrer com as nossas perdas, contar todos os nossos segredos, tudo isso me lembra ela. Quando me mudei para Parnaíba, os adm's foram me visitar e eu ainda morava no apê, que só tinha um quarto, imaginem a bagunça enorme que seis pessoas fizeram num espaço mínimo e as louças sobraram pra ela! Isso sem contar do reveillón que passamos juntas, ela fazendo xixi escondida atrás do palco: "ei, minha filha, não 'mije' nas minhas costas não"! Risadas por dois meses consecutivos e respectivos recados no orkut com essa pérola! Ela sempre será nossa "ex C, para sempre TT", a última de nós... Mas isso são outras histórias, totalmente em off... Kkkkkkkk!

A Gheysa é a mais desbocada de nós, a mais livre, a mais sorridente, a nossa "Maguinha". De cada 10 palavras que ela fala, 20 são palavrões e ela tem mais ex's do que eu consigo contar: "mas eu só sei contar até 10 milhões", hahahaha! Ela é uma pessoa contagiante, que faz bem ter ao lado, a maguinha mais gostosa do pedaço. As melhores e mais bizarras histórias do mundo tem sempre que acontecer com ela! E como nos rendiam gargalhadas as histórias malucas que ela nos contava... Baladas e paquerinhas é com ela mesmo e sempre que saíamos juntas, ela ia nos deixar em casa brigando e xingando todo mundo por morarem longe demais: "suas RL's". Mas era o jeito carinhoso de nos tratarmos e ela nunca nos deixou na mão. É ela que sempre divide a conta, isto é, divide MESMO, por cada azeitona consumida, ê maga mão de vaca! Ela sai sem dinheiro e volta bêbada, incrível. Foi ela que me ensinou a fazer tangirosca e eu juuuuro que nunca me embebedei com a mistura de vodca e suco de tangerina! Vocês acreditam? Nem eu!

Eu, Jocele e Gheysa no Salute

A Jocele é a nossa "Bob", nem precisa explicar o porquê, né? Ela viaja na batatinha! É sempre maravilhoso e imprevisível estar na companhia dela, do nada ela faz ou diz algo que torna aquele momento inesquecível. Linda, doida, marmoteira, perna-de-pau, alma de criança num corpo de mulher. Ela tem uma voz maravilhosa e toca violão muito bem. No dia da minha formatura, fomos a um restaurante que tinha música ao vivo e ela pediu licença aos músicos para cantar uma música para mim. "Zombie", The Cramberries. Um dos momentos mais lindos da minha vida. Me emocionei, chorei. Minha amiga ali, cantando para mim, maravilhosamente, num restaurante cheio de pessoas, mas ela cantava só para mim. E ela nem é profissional, mas todos a aplaudiram quando ela terminou. Muito lindo. Ela é carente. Lembro-me das primeiras aulas, em que senti que ela queria se tornar minha amiga, queria que eu me sentasse ao seu lado na sala de aula, no barzinho. Eu sempre entrava na onda das marmotas e caretas dela, íamos correndo até Smallvile. Não entenderam, né? E nem vão. Isso são coisas de "Bob".

Falar do nêgo mais lindo do mundo não é fácil, porque ele é uma das pessoas que tenho certeza que foi Deus que me deu de presente. Nos conhecemos de uma maneira inusitada, éramos vizinhos há um mês e fomos descobrir isso no terceiro dia de aula, quando voltamos a primeira vez juntos pra casa. Mas quando eu digo vizinho é vizinho mesmo, que divide o mesmo muro e tudo. Mas não era apenas um muro que nós dividíamos. A volta para casa era recheada de conversas, segredos e planos, era o "diário de Jujuba e Igor", com direito a uma paradinha no cachorro quente para repor as energias. Isso quando a gente não achava um barzinho pelo meio do caminho para tomar a saideira ou então uma paradinha no forró, porque ninguém tava nem morto! Quantas vezes saímos juntos, pra beber e conversar, ir pras casinhas com a turma, só ele de homem, vestido com uma camiseta cor de rosa super suspeita! Mas ele não tava nem aí de quem duvidava daquele homem rosa andando com cinco mulheres, ele sabia muito bem de si mesmo. E hoje, quem diria, o nêgo mais namorador in the world está casado, é um homem sério e eu sinto muito orgulho disso. Esse nêgo foi meu ombro amigo, me ouviu, me aconselhou, me levou para casa bêbada, sorriu comigo tantas vezes incontáveis.

E por tudo isso e muito mais, os trago aqui dentro do peito, comigo, sempre e para sempre. Amo demais!

9 comentários:

Manu disse...

Olá!
Primeira vez aqui.
Falou de festa?
Adooooooooro!
Vim ler...

Manu disse...

Brigadão pelo elogio, garota!
Tô te likando tb?
Tem seguidores?
Vou olhar pra ver a forma de linkar!
;)

Carla P.S. disse...

Geeente...
Eu senti a emoção da escrita, as palavras têm muito disso, né? Deu vontade de chorar nem sei por que.. Eu senti tua emoção e saudades enquanto falava..Que sorte ter encontrado pessoas tão especiais, e ter curtido tão bons momentos! Mas é isso,a vida vai se reciclando, vamos encontrando - e reencontrando - pessoas pelo caminho. E muito lindo o carinho que tu tens por essas figuras (até parece canceriana falando, hein!) hehehe.. Beijão amada, fica com Deus !

Loira e Morena disse...

Ah é tao gostoso qud relembramos bons momentos passados ao lado de pessoas especiais....com ceretza todos esses seus amigos marcaram sua vida e tem um pedacinho do seu coração, né!!

Beijocas da Loira

Lara disse...

ha, que é muito bom ter uma galera assim. Que a gente lembra com muitas saudades, e quando a gente ver um deles, é como se o tempo não tivese passado e a amizade é a mesma.
beijo

Denille disse...

jujuba agora faltou nóssssssss secretarias, fiquei com ciume, mas até entendo pq sei q em seu coração enorme tem vaga p todo mundo!!!!! beijos!

Juliana* disse...

Post fofo!
Eu faço Letras e estou no último ano, faltam poucos dias para acabar...Foi muito bom ler este post, pois não tive a mesma sorte de encontrar pessoas tão especiais.É confortante saber que ainda existem pessoas que guardam as lembranças de momentos tão marcantes!!!
Belo post!!!

beijos

Tati disse...

o texto não era meu não..acho que é do Paulo Coelho, mas não tenho certeza :)

e que linda a historia da sua turma.
bateu saudades da minha.

Beijo meu bem!

Blog das Lulus disse...

Q linnndoooo!!! Saudade de vc com a gente amiga!!! Pena q n vamos mais nos formar juntas... mas vc será muito citada e lembrada, viu?!
Amei!!!!