terça-feira, 30 de junho de 2009

Rapidinhas e aleatórias

Michael Jackson morreu. É uma imensa tristeza para todos os fãs que esperavam que o ídolo pop se reerguesse dos muitos escândalos de sua vida pessoal e da dívida de milhões. Ele foi e sempre será lembrado como um artista completo, grandioso em sua obra. Com a sua morte, tenho certeza que a família é quem vai lucrar muito, com todos os produtos (cd's, dvd's, daqui a pouco fazem algum livro sobre a morte dele, etc) que ele ainda vai vender. Mas, por favor, já tá na hora de deixarem o coitado morrer em paz. A mídia sensacionalista cada dia inventa uma história nova, a família já está de olho nas crianças, a mãe das crianças já deu inúmeras entrevistas tentando se promover e ganhar algum com essa história toda, o enterro ainda não saiu e a família promete que vai ser aberto ao público, e no meio disso tudo, o pai de Michael anuncia que a família está lançando uma nova gravadora. Gente, todo mundo querendo ganhar o seu com a morte do infeliz. Uma pessoa claramente doente, debilitado física e emocionalmente. Rest in peace, Michael.
A vitória da seleção me rendeu muito frio na barriga e nervosismo. Comecei o jogo super confiante e o primeiro gol dos EUA não diminuiu minha torcida. O segundo gol me deixou nervosa e já comecei a pensar na possibilidade de dar zebra na Copa das Confederações. O jogo foi passando e ao final do primeiro tempo eu começava a acreditar mesmo que os EUA iriam vencer. No início do segundo tempo, a esperança, gol de Luís Fabiano, e então o gol de Kaká não marcado, o que só encheu a seleção de mais gás em busca da vitória. O segundo gol veio e, então, eu já tinha certeza do terceiro. Ganhar é bom, sempre é bom. Eu sei que o Brasil é cheio de desigualdades sociais, injustiça e fome. Mas como é bom torcer pela seleção. Lúcio, para mim, você foi o herói da vitória. Tededico!

Já a final da Dança dos Famosos achei injusta. Paola Oliveira dança muito bem, não posso negar, mas já havia aquele clima de "já ganhou" imperando entre os jurados. Ela dançou bem, mas eu esperava mais. Não vi a superioridade nítida que ela vinha demonstrando nas outras apresentações. E mais, também houve um certo puxa-saquismo para Leandro Hassum. Coitado, todo mundo só sabia dizer que ele é gordinho, mas tem carisma, blá blá blá. Gente, peloamor, tenho certeza que ele não aguentava mais ser chamado de gordo em rede nacional, porque, né? Ele sabe disso, não precisa todo mundo esfregar na cara dele. E por mais carisma que ele tenha, não dançou melhor que Jonatas Faro, isso é fato. As coreografias de Leandro foram sempre muito mais fáceis para se adequarem à sua condição física. Não estou dizendo que Jonatas deveria ganhar o 1º lugar, mas pelo menos o 2º era merecido.

Amanhã entro de férias. E nossa, como estou precisando! Claro que irei viajar para Teresina, tanta coisa a fazer por lá! Além de consultas médicas de rotina, rever familiares e amigos, tenho muita coisa para pôr em ordem nos estudos. Dois artigos da pós para fazer e adiantar o Plano de Negócios, trabalho final da conclusão do curso. Nada de sombra e água fresca para mim, tenho que me concentrar para dar conta dos trabalhos. Até porque, vou ter que antecipar em uma semana minha volta ao trabalho por causa da Solenidade de Colação de Grau do Campus, que é no final do mês. Depois tiro a semaninha que falta, em outubro, no aniversário de Adriano. Se eu der uma sumidinha daqui, já sabem. Não me procurem nos hospitais e IML, daqui a pouco eu volto, com notícias do mundo de cá. Não vou deixar de postar, só devo dar uma maneirada, porque tô de férias, eu mereço!
Adriano inventou de fazer um "arraiá" no meu aniversário. É claro que eu, Gg, Jaque e Carol adoramos a idéia. Já estamos com tudo planejado, sábado tem o "Arraiá da Jujuba" e tá todo mundo convidado! Vai ter comida típica, brincadeiras, quadrilha e todo mundo à caráter! Óbvio que não vão faltar muitas fotos, depois conto tudo para vocês!
Por hoje é só, que eu já falei demais!
Beijos, beijos!

sábado, 27 de junho de 2009

Listinha de presentes de aniversário

Sou muito abençoada por Deus, estou completando 23 aninhos dia 04.07., daqui a uma semana, então para ajudar quem desejar me presentear, resolvi fazer uma listinha do que quero ganhar, dar algumas dicas, enfim, para ver se alguém tem bom coração e se comove comigo, né? Hahahaha!
Bolsas (1, 2, 3, 4 ou 5)
Perfume (Rhea ou Egeo Kiss)
Bom, não sei se alguém vai se compadecer de mim, mas não custa nada tentar! Como diz minha mãe, ninguém sabe o que calado quer, então calada não ficarei!
Detalhe: Não quero nem saber que hoje tem show de Victor e Léo em Teresina e de novo eu não vou! Podem incluir na lista (ainda dá tempo!!!), duas passagens (ida e volta) para Teresina e ingresso para a Arena do Planeta Micarina. Eu também aceito, viu?
Sou uma pessoa simples, aceito outros presentes também! Hehe!
Ótimo final de semana! Beijos, beijos!

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Às mulheres, com amor...

Vou dizer, eu me desacostumei a receber cantadas. É assim, uma coisa tão simples, mas sei lá, acho que quando a gente está num relacionamento há algum tempo começa a se sentir desconfortável quando recebe cantadas. Com o tempo, as pessoas já sabem que você é comprometida e vão deixando de te cantar, às vezes até mesmo quando você está sozinha. É estranho. Você começa a subentender que as pessoas só se aproximam de você por amizade. Nem sempre isso acontece, claro, o que para pessoas como eu, que são totalmente desligadas para essas coisas, é ainda mais constrangedor. Às vezes quando caminho na rua e alguém me fala uma gracinha, eu primeiro penso que não é comigo, mas quando percebo que é mesmo, fico toda estabanada. Quando a gente é solteira, livre, leve e solta, a gente vai para os lugares, esperando ouvir elogios dos marmanjos. E não é que os elogios não nos deixem mais com os egos amaciados, mas é que de certa forma, não esperamos mais por eles, e quando eles vêm, nos surpreendemos. Porque será?
Quando estamos comprometidas seriamente esquecemos como é ser solteira, esquecemos como é paquerar os gatinhos nas baladas e receber elogios de desconhecidos. Por isso mesmo quando o relacionamento acaba, geralmente as mulheres se sentem perdidas. O que fazer sem o companheiro? Como se divertir solteira? Será que estivemos fora do "mercado" por muito tempo?
Então, não tô dizendo que as moçoilas comprometidas devem sair por aí paquerando para não perderem o costume (assanhadas!), apenas estou refletindo sobre o assunto, pois ultimamente tenho visto muitos casais se separando, na vida real, nos blogs amigos que leio, enfim. Mas percebo que as mulheres é que geralmente demoram mais para restabelecer suas vidas. Talvez por, geralmente, serem mais românticas e se doarem mais para a relação. Não que os homens não se doem, mas convenhamos, mulheres, em sua maioria, tem algo dentro delas que as tornam maternais, que as deixam mais suscetíveis às coisas do coração.
E o que vemos, em todas as partes, são mulheres infelizes, com parceiros, sem parceiros, em busca de amor. De um amor que elas merecem. Não vou criticar o mundo moderno, as formas dos relacionamentos, afinal a revolução sexual está aí para isso mesmo, mas tenho que dizer que muitas pessoas, homens e mulheres, banalizam demais as relações. O legal nos dias de hoje é pegar geral, passar o rodo. Onde fica o envolvimento ninguém sabe, porque ele não está presente.
Não adianta, pode quem quiser dizer que eu não acredito, ninguém quer ficar só de verdade. Não vou virar uma "Casada Convencida", como diria Bridget Jones. Não estou levantando a bandeira de que as pessoas devem azucrinar as outras por elas não terem relacionamento sérios, apenas acredito que as pessoas podem não querer alguém no presente, podem estar muito focadas no trabalho, estudos, podem não estar preparadas para um relacionamento mais sério, enfim, mas todo mundo pensa, que daqui a algum tempo (e esse tempo é relativo para cada pessoa) estará encontrando alguém especial para ter uma vida em comum. Não necessariamente casados ou com filhos, mas sendo companheiros um do outro, se apoiando. Porque amar é bom e nos faz bem. Nem sempre é para sempre, mas é eterno enquanto durar. E por mais que estejamos cansados, sempre temos amor para recomeçar.
Essa vontade de recomeçar é que não podemos deixar sair de nossas vidas, essa fé, essa esperança que vai dar certo. Porque o amor está dentro de nós, esperando para que o libertemos, nós é que deixamos de crer nele. Mas amar é simples, nós que complicamos. Amar é acreditar que pode dar certo, é acreditar num futuro juntos apesar de tudo. Amar é não ter nenhuma garantia e ainda assim querer arriscar.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Aniversário surpresa da Gg


Hoje é aniversário da Gg (23 aninhos!), mas como é segunda-feira, resolvemos comemorar ontem. Ela estava planejando fazer um jantar, para as pessoas mais íntimas, no domingo à noite, para poder viajar para Cocal hoje e passar o seu aniversário com a tia Carmélia também. Deixamos ela pensar que tudo o que estávamos fazendo era para o jantar, mas combinando com todos os amigos que ela convidou para irem para a casa de praia no Coqueiro.
Foi armada uma força-tarefa, todo mundo unido para que ela não desconfiasse. Eu e Adriano saímos cedo de casa, para fazer a arrumação da casa de praia, que estava fechada, e por isso mesmo suja, cheia de poeira e tal. Raphael levou Gg (e Letícia - irmã da Gg) para a praia, para que Carol pudesse trazer o restante das coisas (comidas, bebidas, etc), enquanto o restante dos convidados chegavam.
Quando estava tudo pronto e todo mundo tinha chegado, liguei pra Gg, convidando para que todo mundo fosse na casa de praia e... SURPRESA!!!
"Parabéns pra você..."
Quantas velinhas tem nesse bolo?
Carol, Jaque, Gg e eu
Meu amor fazendo o churrasco Carol assessorando (gaúcha que se preze tem que saber fazer churrasco!)Andréa, Gg e Letícia Eu e meu amor nos bastidores Direto da FAP (Carol, Jaque, Gg, Santiago, Thayron e eu)
Monique, Crisalys, Gg e Raphael
Gg e Adriano (quem vê diz que Gg come carne!)
Amo muito!

Só porque tenho por elas um apreço imenso!
"Primo" Santiago, Gg e Thayron
Deu trabalho, mas no final das contas, ela não desconfiou de nada. E o melhor, ela nem estava esperando. Ganhou presentes, bebeu, comeu muuuito (enfim, ela é Gg, né?), mas o melhor de tudo é que teve o carinho dos seus amigos transformados em um gesto. E isso não tem preço.
À minha querida amiga desejo sonhos realizados. Porque os sonhos são o que nos alimentam em busca das conquistas e eu quero que ela tenha muito sonhos e muitas conquistas na vida. Por ser especial, única e ter um coração enorme.
Amo você, Gerusa, feliz aniversário!

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Dia difícil

Ontem foi um dia cansativo, estressante, mas não por causa do trabalho. A empregada doméstica que estava há 3 semanas trabalhando na minha casa furtou minha câmera digital, novinha, comprada há 1 mês. Ela só trabalhava 3 vezes por semana (segundas, quartas e sextas), então, estranhei quando ela foi na terça, mas ela disse que era porque eu estava recebendo visita (oi? Adriano não é visita), achei até muito legal da parte dela, embora realmente não precisasse. Na segunda à noite, tínhamos dado falta de algumas coisas, mas só comida, então combinamos de conversar com ela na hora do almoço, para resolver a situação. Só que quando chegamos do trabalho, ela já havia saído, disse que precisava resolver umas coisas, blá blá blá. Achávamos que ela estava passando por necessidades, mas nunca imaginamos que fosse uma ladra.
Na terça à noite, eu e Adriano fomos na Bell'Itália, uma das pizzarias que tem em frente de casa, procuramos a câmera e não encontramos. Ligamos para a Gg, para saber se a câmera estava com ela, embora fosse improvável, já que quando ela saiu nós estávamos em casa e ela não havia dito nada. Enfim, reviramos a casa inteira e não encontramos. Então, começamos a desconfiar. Não tínhamos recebido ninguém em casa, a única pessoa estranha que tinha estado lá era ela mesmo. Não desconfiamos de ladrão porque havia dois notebooks ao alcance e um ladrão não iria deixar isso escapar, né?
Nossas suspeitas se confirmaram quando, pela manhã da quarta-feira, o marido dela (que é doente, depressivo, toma remédios controlados, se aposentou por invalidez e tudo mais) veio avisar que ela estava doente e que não viria trabalhar. Achamos muito conveniente da parte dela ficar doente quando desapareceu um objeto de valor da nossa casa. Liguei logo para o trabalho avisando que não iria trabalhar de manhã. Contactamos a polícia, inventamos uma desculpa para ir na casa dela, pegamos o endereço com ela, já que não sabíamos o endereço correto, só o bairro. Então, ela ligou dizendo que o marido já estava indo deixar o que pedimos, desconfiamos ainda mais. Quando a polícia não encontrou o endereço que ela tinha dado, tivemos certeza. Depois, o marido dela chegou em nossa casa e tentamos conversar com ele como se nada tivesse acontecido, para que desse tempo da polícia voltar para nossa casa, aí percebemos que ele não sabia de nada, já que nos falou onde moravam, esperou pacientemente uma "encomenda que iria chegar", etc.
Enfim, a polícia chegou e o abordou, ele começou a passar mal, disse que não sabia do que eles estavam falando. Tive pena dele. Foram parar na casa da mãe dele, que ficou muito desesperada com a possibilidade de nora dela ser presa e tal. Sei que no final das contas, ela disse que iria resolver. Os policiais disseram que iriam voltar à tarde e que queriam a câmera, só isso, que eles teriam que devolver a câmera se não quisessem que a empregada fosse presa.
Fiquei a tarde toda esperando ansiosa, fui trabalhar mas estava com a cabeça nas nuvens. Saí da Ufpi às 18 horas, nervosa, preocupada, aguardando a ligação da polícia, já pensando seriamente que não veria mais minha câmera. Às 19 horas, um policial chegou na minha porta com minha câmera, dentro da caixa e com o cabo do celular, que ela deve ter achado que era o da câmera. Foi uma situação surreal, a sensação de ser roubada é muito ruim. Nos sentimos mal, pensamos em quanto nós trabalhamos para adquirir aquele bem, para que alguém nos tome assim, de maneira perversa. Revistamos a casa inteira para ver se ela não havia levado mais nada.
Não dei queixa dela, fiquei com pena. Mais do marido dela, na verdade, e das duas filhas pequenas deles. Ele apareceu na minha casa hoje, me pedindo desculpas, chorando, me dizendo que não sabia, que tinha tomado muitos remédios, que iria se internar ainda de manhã. E que a mãe dele tinha ficado muito abalada com os policiais na porta dela, enfim. Olha, uma situação triste. Me deu até medo de ter tido uma pessoa daquelas trabalhando na minha casa, sabe-se lá o que mais ela não poderia ter feito, né?
Para nós foi um susto, mais do que isso, uma lição. Diarista na nossa casa agora só com investigação da ficha criminal, referências e o escambau. Se Adriano não estivesse aqui em Parnaíba comigo eu teria ficado sem saber o que fazer. Não sei, a gente se acha tão forte, mas é tão bom ter alguém que cuide da gente e nos ajude a resolver os problemas, né?
Só para desabafar, queria dividir essa história com vocês. Olhos bem abertos com pessoas estranhas em casa. Quem tem pena do coitadinho, vai pro lugar dele.
Deixa eu ir trabalhar, que hoje isso aqui tá que tá!
Beijos, beijos!

segunda-feira, 15 de junho de 2009

E no dia dos namorados...

Meu amor chegou em Parnaíba às 23h do dia 12 de junho. Quase passavámos longe outra vez, mas fizemos de tudo para que isso não acontecesse, porque, afinal, não tem coisa pior do que estar longe de quem a gente ama numa data tão especial. Pode quem quiser dizer que a data é comercial e blá blá blá, mas duvido se alguém quer ficar longe do marido/noivo/namorado!
Eu estava bastante cansada, tinha trabalhado o dia inteiro, mesmo com a UFPI às moscas, e feito uma prova terrível de Administração Financeira e Orçamentária (onze orçamentos de Planejamento Orçamentário numa única prova, é mole?). Adriano também não fez uma viagem muuuito boa, mas mesmo assim, queríamos ficar juntos, a saudade era maior que qualquer cansaço. Fomos num restaurante próximo de casa, que adoramos porque tem o melhor feijão tropeiro do mundo.
Ganhei um colar de prata com meu nome que há tempos eu queria e chantageava todo mundo para ganhar. Detalhe que mamãe me disse (no sábado) que iria encomendar um para mim também, ou seja, quase ganho dois! Dei um colar e uma medalha "cara-metade" para ele, de prata também, e outras coisinhas mais (deixem de ser curiosos!). Agora tenho que revesar, para também usar o meu colar "cara-metade". Sou chique, te mete!
Tô feliz, né?!

Adriano dodói nem podia beber, vai ter que refazer a cirurgia de septoplastia, que tem um pós-operatório terrível. Ele já fez uma vez, mas o desvio voltou, então agora tem que corrigir. Já estou com o coração apertado, pedindo que dê tudo certo para a cirurgia ser só em julho, quando estarei de férias em Teresina. Torçam vocês também!
Amor e Coca-cola

Uma felicidade sem tamanho estar junto do meu amor, namorando, nos cheirando, curtindo nossas manias. É difícil ficar longe, é doído, é frustrante, mas quando a gente quer de verdade, o mundo se ajeita!
Cheirinho de amor

E vocês o que fizeram de bom no dia dos namorados? Me contem!
Minha amiga Larissa me deu a maravilhosa notícia que ficou noiva! Lembro-me no casamento da Paulinha, quando nos perguntávamos quem seria a próxima de nós, pelo visto tem muitas chances de ser você, né, amiga?! Desejo a ela (e ao Gil) muita felicidade e prosperidade, que a união deles seja sempre abençoada por Deus.

Beijos, beijos!

sexta-feira, 12 de junho de 2009

O amor... é uma dor?

O que faz alguém se apaixonar? Qual é o exato momento em que isto acontece? Como escolher alguém para ser feliz? Perguntas muito difíceis de responder. As pessoas se apaixonam pelas outras das mais diversas formas, são muitas as peças que se encaixam na busca de um relacionamento. Não acredito que os opostos se atraiam, aliás, eles podem até se atrair, mas não permanecem, não duram. Como ser feliz ao lado de uma pessoa tão diferente de você? Um dos dois vai ceder demais, e quem se doa muito fica vazio. É fato. Não estou dizendo que não pode dar certo, mas já vi muitos casos de pessoas que depois de anos de relacionamento se sentiam injustiçadas e infelizes, achando que deram muito para o relacionamento e não receberam nada em troca. Ficam amargas e tristes, percebem que o tempo passou e elas investiram errado.
Também sou contra quem diz que "Fulano me fez perder tempo", apenas porque o relacionamento acabou. As pessoas ficam juntas de comum acordo (exceto casos excepcionais de pessoas loucas, psicopatas e etc), vivem momentos bons, constroem uma história juntos. Se acabou que fiquem os bons momentos, cada um curta sua fossa e depois renasça livre para um novo amor. Falo isso por já ter presenciado pessoas que amavam outra que já não estava mais na mesma sintonia que ela e elas insistiam no relacionamento. Quem iludiu quem, afinal? Falo especialmente de um caso de alguém muito próximo, que namorou muitos anos com uma Mocinha, e no final do relacionamento já percebendo que seus sentimentos não eram os mesmos, começou a se envolver com outras pessoas, então ele tentou terminar o relacionamento, mas ela queria lutar, queria dar mais uma chance. Ele sabia que não a amava mais, mas sentia um imenso carinho por aquela Mocinha com quem viveu tantos bons momentos e se perguntava se não tinha mais uma chance de dar certo, de serem felizes novamente. Só que, vamos combinar, né?, quando um não quer, dois não brigam. É claro que estava escrito nas estrelas que ele iria encontrar Outra que o fizesse despertar novamente para o amor. Então, ele terminou com a Mocinha para ficar com a Outra, mesmo muito sentido por magoar a Mocinha, mesmo gostando tanto da família dela, mesmo considerando que o novo relacionamento poderia não dar certo. Ele não trocou a Mocinha pela Outra, o relacionamento com a Mocinha já tinha acabado há tempos, só não tinha tido um fim ainda, e ele queria que o seu novo relacionamento fosse diferente porque estava mesmo muito apaixonado e queria fazer as coisas darem certo. A Mocinha realmente era uma pessoa boa, apaixonada pelo namorado e queria tanto que desse certo que fechou os olhos para todos os sinais que ele deu. Ou seja, se iludiu sozinha, ficou cega para algo que todos enxergavam e quando veio o fim, ela sofreu, chorou, foi pro psicólogo e tudo mais. Enfim, se restabeleceu e tempos depois, encontrou com o antigo namorado (que ainda está com a Outra) e disse que ele a fez perder tempo. Como assim, né? E as coisas boas que eles viveram?
Nenhum relacionamento vem com data de validade ou selo ISO 9001. As pessoas têm que estar preparadas para, eventualmente, terminarem. Ninguém está isento de deixar de amar, de se apaixonar por outro alguém, de buscar a sua felicidade. Sejamos sinceros, essas coisas acontecem. Agora, culpar o outro de fazer você perder tempo é demais, não? É como se tivéssemos uma bola de cristal para prever o futuro. É como se fizéssemos de propósito, como se já tivéssemos começado pensando no fim. Pode-se realmente culpar alguém por se apaixonar por outra pessoa? Ou por deixar de amar? As pessoas têm crises no relacionamento, ficam balançadas por outras, voltam, tentam, mas se não der mais para continuar, que tenha sido bom enquanto durou, sem mágoas ou perdas no caminho, afinal, ninguém faz um relacionamento não dar certo sozinho, cada parte tem a sua parcela de responsabilidade no final das contas.
"Se ele ou ela não te quer mais, não force a barra. O outro tem o direito de não te querer. Não lute, não ligue, não dê pití. Se a pessoa tá com dúvida, problema dela, cabe a você esperar ou não. Existe gente que precisa da ausência para querer a presença. O ser humano não é absoluto. Ele titubeia, tem dúvidas e medos mas se a pessoa REALMENTE gostar, ela volta. Nada de drama. Que graça tem alguém do seu lado sob chantagem, gravidez, dinheiro, recessão de família? O legal é alguém que está com você por você. E vice versa. Não fique com alguém por dó também. Ou por medo da solidão. Nascemos sós. Morremos sós. Nosso pensamento é nosso, não é compartilhado. E quando você acorda, a primeira impressão é sempre sua, seu olhar, seu pensamento."
(Arnaldo Jabor)
As pessoas devem buscar a sua felicidade, esteja ela onde estiver. Um relacionamento por si só não torna alguém repentinamente feliz. Vejo que as pessoas culpam as outras pelo fim, sem notar que também contribuíram, ou no mínimo, fecharam os olhos para não ver que alguma coisa estava errada. Tenho um relacionamento feliz, mas que já teve muitos baixos, que já achamos que não daria mais, mas se continuamos é porque vimos que superamos as brigas e acreditamos que o nosso futuro é juntos. Se amanhã alguém mudar de opinião, bom, vai estar no seu direito. Não estou sendo insensível, mas é que não tem coisa pior do que ser cobrado por algo que tem que ser espontâneo. Às vezes você não consegue dar cem por cento de você para você mesmo, como cobrar cem por cento do outro? Na vida e no amor não temos garantias.
Eu acredito no amor, eu peço ao Papai do Céu que não me permita nunca deixar de acreditar. Porque é ele que move as pessoas, que impulsiona nossas vidas. O amor nos faz rir, nos faz chorar, nos faz perder a cabeça, nos faz ter paz. E não falo só do amor carnal, aquele que temos por um companheiro, mas aquele amor bom que nos deixa felizes em momentos simplórios. É bom acreditar, ter fé num futuro melhor. Apesar de tudo, ninguém vive só.
"Cuide bem do seu amor, seja quem for."
(Cuide bem do seu amor - Paralamas do Sucesso)
Feliz dia dos namorados!

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Formatura de Direito (Adriano) - parte final


Bom, eu sei que vocês já devem estar cansados de saber da formatura de Adriano, mas vejam bem, este é o último post e o que contém as melhores fotos, porque já são fotos do meio pro final da festa, onde o álcool já estava fazendo efeito, enfim, são os melhores momentos. Me diverti muito vendo as fotos, a minha cara de felicidade em cada uma delas traduz bem o meu espírito no dia. Juro que é o último post, juro. Não vou escrever muita coisa, as imagens falam por si.
Um brinde à conquista de Adriano!Amo essas gostosas!Fran, Jocele (Bob), Gheysa (Maguinha), eu e NatáliaHomem da minha vida 1Homem da minha vida 2Homem da minha vida 3Carol, eu e MarthaTem que ter a dancinha!Será que a gente tava feliz?Coisa mais gostosa!Biquinhos das amigas-maridasEu e Gg até o chão!Olha a cara de felicidade da Carol com os chocolates!Ô povo que come! (O musse fui eu que fiz!)Direto do CEBRAPI (amigos de longa data!)Meu sorriso não cabe na boca!Porque sem presapada não dá!Renato agarrando a MarthaE a Gg também!Que beijo bom! Amoooooo! Amigos fura-olho
Amigas desde sempre
Mais uma sandália que se foi em uma festa, né, Gg?Vou ser madrinha do casamento deles!Não tirem o copo da minha mão que eu tô feliz demais!Gg e eu agarrando o Dani!Todo mundo agarrando o Werner!Cansadinhos (Eu, Danilo e Carol)Final de festa: a cor dos meus pés não mentem!Adriano fingindo dormir

Espero que vocês se divirtam com as fotos, até porque dá pra ver a alegria genuína de todas as pessoas que estiveram presentes. Mais uma vez agradeço a presença de todos, amo vocês, queridos amigos!
Ah, amanhã é feriado, o que vocês irão fazer de bom? Eu tenho que estudar para uma prova de Administração Financeira e Orçamentária, e acho que Adriano chega amanhã também, então já estou feliz por conta! Passar dia de namorados com meu amor (ano passado passamos separados), ai, ai, não desejo mais nada!
Beijo, beijos!