sexta-feira, 26 de junho de 2009

Às mulheres, com amor...

Vou dizer, eu me desacostumei a receber cantadas. É assim, uma coisa tão simples, mas sei lá, acho que quando a gente está num relacionamento há algum tempo começa a se sentir desconfortável quando recebe cantadas. Com o tempo, as pessoas já sabem que você é comprometida e vão deixando de te cantar, às vezes até mesmo quando você está sozinha. É estranho. Você começa a subentender que as pessoas só se aproximam de você por amizade. Nem sempre isso acontece, claro, o que para pessoas como eu, que são totalmente desligadas para essas coisas, é ainda mais constrangedor. Às vezes quando caminho na rua e alguém me fala uma gracinha, eu primeiro penso que não é comigo, mas quando percebo que é mesmo, fico toda estabanada. Quando a gente é solteira, livre, leve e solta, a gente vai para os lugares, esperando ouvir elogios dos marmanjos. E não é que os elogios não nos deixem mais com os egos amaciados, mas é que de certa forma, não esperamos mais por eles, e quando eles vêm, nos surpreendemos. Porque será?
Quando estamos comprometidas seriamente esquecemos como é ser solteira, esquecemos como é paquerar os gatinhos nas baladas e receber elogios de desconhecidos. Por isso mesmo quando o relacionamento acaba, geralmente as mulheres se sentem perdidas. O que fazer sem o companheiro? Como se divertir solteira? Será que estivemos fora do "mercado" por muito tempo?
Então, não tô dizendo que as moçoilas comprometidas devem sair por aí paquerando para não perderem o costume (assanhadas!), apenas estou refletindo sobre o assunto, pois ultimamente tenho visto muitos casais se separando, na vida real, nos blogs amigos que leio, enfim. Mas percebo que as mulheres é que geralmente demoram mais para restabelecer suas vidas. Talvez por, geralmente, serem mais românticas e se doarem mais para a relação. Não que os homens não se doem, mas convenhamos, mulheres, em sua maioria, tem algo dentro delas que as tornam maternais, que as deixam mais suscetíveis às coisas do coração.
E o que vemos, em todas as partes, são mulheres infelizes, com parceiros, sem parceiros, em busca de amor. De um amor que elas merecem. Não vou criticar o mundo moderno, as formas dos relacionamentos, afinal a revolução sexual está aí para isso mesmo, mas tenho que dizer que muitas pessoas, homens e mulheres, banalizam demais as relações. O legal nos dias de hoje é pegar geral, passar o rodo. Onde fica o envolvimento ninguém sabe, porque ele não está presente.
Não adianta, pode quem quiser dizer que eu não acredito, ninguém quer ficar só de verdade. Não vou virar uma "Casada Convencida", como diria Bridget Jones. Não estou levantando a bandeira de que as pessoas devem azucrinar as outras por elas não terem relacionamento sérios, apenas acredito que as pessoas podem não querer alguém no presente, podem estar muito focadas no trabalho, estudos, podem não estar preparadas para um relacionamento mais sério, enfim, mas todo mundo pensa, que daqui a algum tempo (e esse tempo é relativo para cada pessoa) estará encontrando alguém especial para ter uma vida em comum. Não necessariamente casados ou com filhos, mas sendo companheiros um do outro, se apoiando. Porque amar é bom e nos faz bem. Nem sempre é para sempre, mas é eterno enquanto durar. E por mais que estejamos cansados, sempre temos amor para recomeçar.
Essa vontade de recomeçar é que não podemos deixar sair de nossas vidas, essa fé, essa esperança que vai dar certo. Porque o amor está dentro de nós, esperando para que o libertemos, nós é que deixamos de crer nele. Mas amar é simples, nós que complicamos. Amar é acreditar que pode dar certo, é acreditar num futuro juntos apesar de tudo. Amar é não ter nenhuma garantia e ainda assim querer arriscar.

8 comentários:

Mosana disse...

assino embaixo!
acho q a gente não pode esquecer de ser mulher, antes de ser esposa, amante, mãe, dona-de-casa.. é difícil mas a gente consegue!
kisses

Jú ツ disse...

Concordo em gênero número e grau!
Ah e tem um tempinho q já acompanho seu blog, está até na minha lista d favoritos! Sucesso pra ti.
Beijinho =**

Juliana* disse...

Ééé, Jullyane,sobre o mundo moderno, hoje os relacionamentos estão muito banalizados...bonito é sair beijando todo mundo, um caso ali, outro aqui (tuuudo ao mesmo tempo...), ou ainda vemos que hoje em dia a traição é algo normal.
No início da facul este ano, conversando com uma moça, ela me falava do namorado, morava com ele mas que estava saindo com outro cara...tipo 'COMO ASSIM', 'Porque ela faz isso'???Por mais que eu saiba de toda essa futilidade que existe ainda fico begeeee quando ouço uma história dessas.Sei lá, talvez essa vulgaridade desenfreada seja uma busca para preencher algo, o medo de se sentir solitário(a), pois,concordando com você, também acho que ninguém quer ficar só e no fundo todos querem encontrar seu par 'eterno'.

beijinhos

Anna disse...

Também acho que a maioria das pessoas banalizou o amor. Acho isso uma coisa séria demais, e talvez por isso que eu demore muito pra realmente me entregar em qualquer relação. E sou igual você em relação as cantadas, fico muito desnorteada! Se não é na rua e sim com alguém que chega em mim, sou tão retardada que sempre me faço de desentendida. Haha!
beijos

Lara disse...

Nossa, foi exatamente sobre isso que eu escrevi no meu ultimo post. Não assim dessa maneira direta. Dps vê lá.
beijoos

July disse...

Jully ótimo post.
A pouco eu estava conversando com minha amiga sobre esse assunto, terminei meu relacionamento há 7 meses e todos meus amigos cobram de mim que eu recomece! Mas não estou preparada nesses meses todos eu só dei um único beijo em outro rapaz e me senti horrivel choreiii, era como se eu tivesse traindo meu sentimento. Sei lá acho que traumatizei.
"apenas acredito que as pessoas podem não querer alguém no presente, podem estar muito focadas no trabalho, estudos, podem não estar preparadas para um relacionamento mais sério, enfim, mas todo mundo pensa, que daqui a algum tempo (e esse tempo é relativo para cada pessoa) estará encontrando alguém especial para ter uma vida em comum."
Essa parte é incrivel e é exatamento o que eu sinto!!
Belo post
bjãoo

Taís disse...

Queridona tem selinho pra uma blogueira fofa lá no Scene. Claro que vc não podia ficar de fora, né?
Já já volto pra ler teu post inteirinho.
Bjinhos

Rafa disse...

Concordo em gênero, número e grau! inclusive com a parte que me desacostumei a receber cantadas... rs!