quarta-feira, 30 de setembro de 2009

30 de Setembro - Dia da Secretária

Hoje é dia da secretária. Essa mesma, que faz tudo, lembra dos compromissos, agenda as viagens, atende os telefonemas, anota os recados, assessora em todos os níveis possíveis, resolve todos os problemas como num passe de mágicas, muitas vezes cuidando até do que é pessoal.
É, eu não sou uma pessoa imparcial para falar do assunto, vocês sabem. Como secretária executiva bilíngue, por formação e convicção, me orgulho e me entristeço com o que vejo sobre secretárias por aí.
Me orgulho do interesse e do conhecimento que as pessoas estão passando a ter sobre a profissão, do aumento das vagas e universidades que oferecem o curso, do aumento das vagas para a área em concursos dos mais diversos órgãos. Mas me entristeço com as mocinhas-bobinhas-bonitinhas que só estão "sendo" secretárias por falta de algo melhor, esperando alguma promoção, sem nenhuma formação ou bom senso para exercer a profissão. Por isso, Conselho de Secretariado já! Essas mesmas que caem no estereótipo da secretária-que-tem-um-caso-com-o-chefe, nossa!, como as piadinhas de mau gosto sobre isso me entristecem.
Muitas pessoas não percebem como as piadinhas denigrem a imagem profissional de alguém. Não é brincadeira, não é legal, eu não vou achar graça. Nunca achei, nem no período da graduação, muito menos agora. Cantar "Secretária", de Amado Batista, perto de mim me provoca raiva. Se for para mim, então, saia da frente, porque você provavelmente não vai gostar de ouvir o que tenho pra dizer.
O que custa respeitar? Quebrar barreiras, vencer tabus e estereótipos? Quem passa pra frente as piadinhas, as brincadeiras de mau gosto, está contribuindo para a continuidade da discriminação entre as profissões. Seja proativo e levante a bandeira do respeito ao profissional que você, ou é, ou tem algum amigo, colega, parente, que seja. Ou você pode fazer como o Christian Pior e dizer via twitter: "Bom dia patrão que vai levar a secretária para comemorar o dia dela no motel. Peça a suíte mais cara e depois do spring love dê folga para a colega". Que coisa mais interessante de se dizer, não? Um dica: não tem o que falar, fica quieto! Não tem respeito com as pessoas? Tenha pelo menos respeito por si e pense na sua imagem pública. Nunca simpatizei com essa pessoa, agora eu tenho motivos redobrados.
Às secretárias queridas, amigas de profissão, amigas de faculdade, amigas da blogsfera, parabéns pelo seu dia, erguam as cabeças e tenham orgulho de quem vocês são. Especialmente: Larissa, Líllian, Denille, Intense e Bel, secretárias queridas da minha vida...

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Sete Cidades - Piauí - Brasil


Para me fazer acordar às cinco da manhã de um domingo tem que ser algo muito importante! Isso inclui, é claro, uma visita técnica a um lugar lindo, que eu sempre quis conhecer e que, de quebra, ainda vale 4 horas para as benditas atividades complementares, que tenho que somar no final do curso (o fato de eu não ter nem 60 das 216 horas é só um detalhe).
Às seis horas já estávamos em frente à Fap, aguardando o ônibus com o pessoal que também iria e a viagem de duas horas até Piracuruca foi um tormento, devido aos dvds de música brega que o pessoal da turma de Administração com habilitação em Turismo insistiu em ouvir. A democracia durou até a hora em que a coordenadora dos cursos de Administração não aguentou mais e desligou o dvd, porque, né?, ninguém no mundo é obrigado a ouvir a porcaria que os outros querem. O silêncio foi reconfortante.

Dentro do ônibus
"Primo" e Gg (cara de sono???)
Chegamos ao hotel (não lembro o nome, mas é dentro da reserva do Parque), tivemos palestra com os guias, dando informações para que ninguém viesse a se machucar e causar o mínimo de impacto ambiental no Parque, ou seja, colocar o lixo produzido nos coletores, não beber, não fumar, não entrar na mata fechada, não mexer nos animais, andar sempre atrás dos guias, usar protetor solar, etc. É importante este tipo de informação, porque todo mundo sabe, mas no final das contas sempre tem os gaiatinhos que resolvem "esquecer". Também encomendamos nosso almoço porque quando chegássemos da trilha, já estaríamos famintos.
Primo Santiago e eu no hotelGg e eu
Começamos a trilha, com toda nossa disposição e condicionamento físico, os grupos se dividiram entre os guias, e logo eu me tornei a melhor amiga do guia, caminhando ao lado dele e conversando sobre tudo. O Parque tem uma área de 6.221 hectares, é o menor Parque Nacional do Brasil, mas é o que mais recebe turistas no Piauí (também temos o Parque Nacional da Serra da Capivara, que eu conheço, muito lindo, e o das Confusões, que não é aberto ao público). Caminhamos não sei quanto quilômetros, entre trilhas, matas, formações rochosas, sítios arqueológicos, cachoeiras. Também subimos num mirante a cerca de 50 m de altura, em que dava pra ter 70% de visão periférica do Parque e as "cidades", formações rochosas agrupadas. Tudo tão lindo que merece ser conservado para as gerações futuras.
Pedra da Tartaruga
Circuito das Cidades
Pedra do Elefante
Na trilha
Meu amigo guia - Elias Júnior
Arco do Triunfo
Eu segurando a Pedra da Jibóia
Santiago, Gg, prof. Auristela, eu, prof. Renatinha, o nosso guia Elias Jr, Olívia e Gracinha na Pedra da Biblioteca
Descansando
Visão privilegiada do Parque
No mirante
Gg e Santiago
Sítios arqueológicos/pinturas rupestres
Eu, prof. Renata e Gg
Lagarto caminhando calmamente no restaurante do hotel

Todo mundo se divertiu, mesmo com o calor, o sol escaldante e nosso condicionamento físico de sedentários, deu pra aproveitar bem o que o Parque tem a oferecer. Chegamos em casa por volta das 18:30, cansados, mas felizes com o resultado. Para ficar perfeito só faltou mesmo a Jaqueline, assustando todos os bichos com sua risada super discreta!
Recomendo aos amantes do ecoturismo, um lugar de beleza exuberante que oferece história, cultura e muito mais.
Quem quiser saber mais sobre Sete Cidades é só clicar aqui e aqui.
Beijos, beijos!

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

.todo dia.


E se os meus dias se tornam frios, quem irá me esquentar? E se eu não tiver mais forças para lutar, quem irá me acolher? E se eu desistir dos meus sonhos quem irá me fazer enxergar algo novo? Eu tô cansada. De ser forte, de não demonstrar meus problemas, de levantar a poeira e dar a volta por cima. E eu detesto me sentir assim. Já falei várias vezes que sou Poliana demais para assumir qualquer postura derrotista, que não gosto que ninguém sinta pena de mim, mas, sei lá, devo estar em algum tipo de inferno astral, com tanta coisa pra fazer e sem vontade de nada. Caindo na rotina de trabalhar, estudar, trabalhar, estudar. Tenho saído mais, é verdade, e é uma das poucas coisas que está me salvando de mim mesma, ultimamente.
Já acordo cansada e com sono, o trabalho me estressa, a aula não me motiva, as atividades da faculdade e do MBA que tenho que fazer se acumulam. Não tenho sido boa companhia, tenho falado menos, feito menos piadas, sorrido menos e tendo menos paciência com as pessoas. Me pego contando até dez para não responder mal alguém e às vezes não me seguro. Os meus amigos é que tem me aguentado e agradeço a Deus por tê-los do meu lado, se não fosse por eles não sei como estaria enfrentando tudo o que está acontecendo na minha vida. Não, não é nada terrível, não tô entrando em depressão, é só uma fase ruim, eu acho, um esgotamento, uma falta de entusiasmo, um desabafo. Porque eu não posso ficar com tudo isso guardado aqui dentro, é muito, é intenso. E além de tudo, ainda acontecem coisas ruins, com pessoas que tentam me derrubar, me denegrir, semear a discórdia no seio da minha família.
Vi no blog da Bel um trecho de um texto que me tocou muito:
"Algo está errado se acordamos na segunda-feira pela manhã e já estamos atrasados, já estamos devendo, já estamos cansados. Ainda que excitados com o que estamos fazendo, como é o meu caso.
Algo está bem errado quando a vida vira uma sucessão de tarefas, mesmo que as tarefas sejam bem interessantes. Algo está errado quando até o lazer se torna uma tarefa. Algo está muito errado quando precisamos marcar na agenda para passear com os filhos ou namorar. Algo está definitivamente errado quando precisamos pensar para lembrar do que vivemos no dia anterior.
Não sei se acontece com você, mas tenho sentido falta de viver o que vivi. O que vivo. De sentir o tempo passar. De ter tempo para elaborar o vivido. E também de ter tempo para ficar no vazio, apenas contemplando o silêncio dentro de mim."
Eliane Brum (
ebrum@edglobo.com.br)
Repórter especial de Época, integra a equipe da revista desde 2000. Ganhou mais de 40 prêmios nacionais e internacionais. É autora de "A vida que ninguém vê" (Arquipélago Editorial, Prêmio Jabuti 2007) e "O olho da rua" (Globo).
É isso, para desabafar, porque vocês vão me ouvir e mesmo sem entender tudo, me darão as palavras que eu preciso, o conforto que é meu alimento. É aqui que eu posso me expressar sem licença poética.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Amigos, pão de queijo e muito mais


Sábado foi um dia longo, acordei cedinho, enfrentei a orientação do Plano de Negócios, com uma advertência do professor orientador, que olhou nos meus olhos e disse: "Você tem um mês, Jullyane, esqueça final de semana, esqueça folga". #medo. Como estamos sem ajudante em casa, tivemos que encarar a faxina, lavar roupa (na mão, né? porque lavadora é para os fracos), tapete da sala, moto, limpar o jardim, enfim! #domésticastotal.
Mas à tarde todo mundo ficou feliz porque a gente combinou de fazer pão de queijo, a delícia mais delícia do mundo! O "primo" Santiago levou 1 kg de massa de pão de queijo pra gente fazer. E lá foi ele (muito prendado!) amassar a massa e misturar com ovo e queijo coalho ralado. Não pode ficar ruim uma coisa dessas, né? Eu e Gg cortamos a massa e distribuimos as bolinhas nas fôrmas untadas e levamos para assar. Claro que gerou toda uma expectativa em relação aos pães de queijo ficarem prontos logo. #mortosdefome. Enquanto isso, todo mundo babava o Gabriel, que tá cada dia mais gostoooso, lindo e absoluto. Fofo! Um milhão de fotos da criança mais amada por nós, cada dia mais pra frente, sorridente e encantador. É, sou babona, né?

Gg e eu
Enquanto isso, Gabriel ajudava comendo queijo...
Lindoooo!
Carol tirando a primeira leva do forno
Delícia!
"Como tudo!"
Soninho gostoso na cama da tia Juju
De shortinho com a tia Olívia
Olhar essa carinha feliz não tem preço! Lindo demais, né?
"A dinda tá me apertando!"
Comendo musse de maracujá
Pirulito mais gostoso do mundo
Não sobrou nenhum pão de queijo pra contar história. E fizemos 1 kg. Repito, 1 kg de pão de queijo. Só de lembrar já me dá água na boca! De sobremesa teve musse de maracujá e é claro que o Gabriel mandou ver. Ai, gente que eu não me aguento com essa criança! Amo tanto como se fosse meu sobrinho de verdade, sabe? Ele é tão amado por nós, tão querido, tão dengado! Mas tem como não amar, uma criança tão doce, que sorri pra gente toda hora, é calminho e adooora colo? Tem não! Por isso eu amo tanto!
Sabe aquelas tarde gostosas, aproveitada entre amigos, jogando conversa fora e comendo muita coisa deliciosa? Pois é, meu sábado foi assim. Amo muito tudo isso!
Beijos, beijos!

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Vermelhos que amamos #3

Na foto: Desejo - Risqué.
"Roía unha.
Desde guria.
O pai queria colocar pimenta na mão da guria.
Cresceu e continuou esta péssima mania.
Um dia criou vergonha na cara e entrou num salão do bairro onde morava.
As mãos ostentavam unhas roídas, pequeninas e fracas.
Isso faz mais de 3 anos... (pouco, não?)
Agora o que anos a fio era sonho... é realidade.
Eu sou louca por vermelhos. Que mulher não fica poderosa, hein?
Tenho vários. Sou maníaca por eles. Escuros, berrantes... Todos!
Apresento um que gosto muito.
Desejo, da Risqué.
Vermelho forte, berrantezinho, mas não é um tomate. Hahahahaha.
Fica a sugestão!
Parabéns a Jullyane por esta idéia... Adorei!
Ficarei assídua!
Beijos às moças que amam vermelhos!"
Dani Faxina - Faxina
Você quer participar da sessão Vermelhos que amamos? É só ver as regras aqui e me mandar as fotos!
Beijos, beijos!

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Presente

Ganhei esse presente da Tah, uma pequena com carinha de anjo (ou de boneca?), mas que ela mesma diz que não é boa companhia. Mentira dela, ela é uma flor, um amor, uma fofura (Quem concorda comigo?). Há tempos eu queria mudar a cara do blog, mas como sou monga não sei fazer layout, nem mesmo mexer em códigos html e tudo mais. E de tanto pedir *sutilmente* no twitter e em todo lugar, ela se compadeceu de mim. Não tenho o dom, mas tenho amigas, o que é muito melhor. Esse mundo virtual nos trás muitas coisas boas, as amizades que vem de graça são o melhor de tudo.
A Tah me aguentou dando palpites e querendo um monte de coisas, mas ela nem se estressou comigo, prova de que ela é uma pessoa paciente. Obrigada, querida, de coração. E tadinha de você, que me prometeu um próximo lay. Mas, eu prometo que não vou fazer igual à Dani (metamorfose ambulante) e mudar toda semana, porque eu não posso abusar né? Hehehe. Ainda estão faltando alguns detalhes, mas eu já amei tudo.
Muita coisa mudando na minha vida, além do lay. Se são ou não permanentes só o tempo vai dizer. Por enquanto eu estou tranquila, me acostumando, me redescobrindo. É uma longa jornada até o caminho certo, mas eu sou forte, eu aguento.
Beijos, beijos!

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Feriado em família


Papai esteve aqui com meu irmão Renato (e a namorada dele, Marília) no feriado e eu amei de coração! Mas, ocupada que estava, ainda não havia colocado aqui no blog as fotos desses momentos tão maravilhosos! Mas, agora vamos lá, não posso mais adiar, né?
Bem, eles chegaram na sexta à noite e tive o prazer de não ir na aula, só para esperá-los, já que papai não sabia onde era a casa nova. Eles chegaram fazendo barulho e bagunça, como sempre e meu coração se encheu de amor por vê-los na minha casa. Adoro! Sei lá porque, mas receber meus pais e irmãos na minha casa me dá um orgulho esquisito, uma alegria sem tamanho. Sei que eu fico feliz e procuro agradá-los de todas as formas. Saímos para comer e no dia seguinte fomos à Praia do Coqueiro, encontramos com meu quase-irmão postiço, Délio, que é amigo de Renato desde mil novecentos e antigamente, sei lá, desde sempre, eu acho. Almoçamos no Paulo's (delícia, delícia!) e fomos dar o ar da graça na Praia de Atalaia, que é a preferida de papai.

Cuidando de papai: protetor solar até na careca!
Minhas maridinhas: Letícia (recém-casada!) e Gg
Lindões: Délio e Renato
Papai ladeado de suas novas filhas
Amo muito!
Garota de Atalaia (kkkkkkkk!)
Pensativas
Eu, Lety e Gg (amoooo!)
À noite, os amigos da faculdade resolveram fazer um churrasco para inaugurar a casa nova e assistir o jogo do Brasil Vs. Argentina (precisa dizer que adorei a cara de *bunda* do Maradonna? #amei!), muita carne de sol assada na chapa (e filé de frango pra Gg, que não come carne), paçoca e batata recheada de camarão. Além disso, Brahma, né?, que ninguém é de ferro! Comi horrores, foi até um pecado, confesso!
Galera no quintalBraz (o cozinheiro) e sua namorada na cozinha bagunçadaO povo assistindo o jogo (Sala ainda sem sofá, que está reformando)Renato e Brahma (Thayron fazendo careta atrás!) 

No domingo fomos na Praia da Pedra do Sal, que apesar de não ter uma estrutura das melhores é uma praia linda, em que o vento é tão maravilhoso que instalaram até uma usina eólica nela. Não almoçamos lá, porque realmente a praia estava cheia e o atendimento péssimo, mas tiramos lindas fotos.

Papys and me
FarolPedra do Sal"... A Pedra e o Sal, A Pedra, o Mar e o Sol ..."Maridinhas
À noite, fomos passear na cidade, na Catedral de Parnaíba, tomar sorvete na Sorveteria Araújo, no Porto das Barcas, ver o artesanato, enfim. Até ganhei presente de papai, jarrinhos com florzinhas lindo para colocar na varanda da casa nova, lindooo! Na segunda fomos pra Atalaia, de novo, que é a praia mais próxima e papai não poderia ficar até muito tarde, já que iria viajar de volta para Teresina.
Eu Mano torto: Délio (amo!)
Renato e Marília
Ô careca gostoooosa!
Homens da minha vida

Será se eu amo? Irmão! 
As meninas adoraram principalmente papai, Letícia então, resolveu adotá-lo como pai dela. Ele as adorou também, era só sorrisos quando viajou. Eu nem preciso dizer como fiquei triste depois que eles se foram, saudades demais de tê-los ao alcance do meu abraço. Mas, enfim, adorei o feriado, não posso ficar me lamentando de saudades, né? Foram dias lindos e em breve vou revê-los...


É isso, só pra contar!

Beijos, beijos!