quinta-feira, 19 de novembro de 2009

O amor é uma doença

Não tem nada a ver com nada, não é indireta, não é recado, eu só achei muito foda, como tudo o que a Tati Bernardi escreve e quis compartilhar aqui, como tudo, como sempre.
"Eu não sei guardar coisas. Se eu compro chocolates, como todos no mesmo dia. Se eu compro balas, chicletes, devoro todos em minutos, compulsivamente. Detesto saber que algo me espera, quero acabar logo com aquilo. Não sei lidar com a responsabilidade da felicidade. A felicidade guardada na bolsa ou na vida. Eu tenho um homem lindo me esperando essa hora, e eu quero com todas as células do meu corpo ir ao encontro dele. Mas eu não sei lidar com tanta felicidade, por isso estou planejando a morte dele. Estou planejando matá-lo com minha estupidez, quero que ele morra fulminado pelas minhas armas de boicote. Quero que ele perceba o quanto sou chata, ciumenta, louca e doente. E que ele enjoe logo da minha cara abatida de intensidade. Que ele pegue logo bode do meu cansaço em viver tanto, porque vivo muito mesmo quando estou deitada olhando para um ponto fixo. É tão cansativo ser eu mesma com todos os meus medos e neuroses, e quero que ele sinta o fardo do meu peso. Morra e me liberte dessa alegria incontrolável. Passe desta para uma melhor, porque eu sou um lixo. Eu lembro daquele conto da Clarice em que a garotinha ruiva guardava os contos para ler depois, porque queria prolongar o mistério da felicidade. Pois eu quero mais é botar fogo em todos os contos de felicidade que a vida escreve para mim, porque por alguma razão maluca a felicidade me escraviza, me paralisa, me faz ficar triste. Eu olho para você e tenho tanta, mas tanta alegria em saber que você existe, que sinto ódio. Ódio de eu não mais esperar por você. O sentido da minha vida era encontrar você. O motivo para eu seguir adiante nos corredores escuros e bater em portas obscuras, era a sua busca. Agora que você está sentado numa sala clara e óbvia, não preciso mais me enfiar em buracos. Mas os buracos eram a única trilha que eu conhecia. Você me soltou na atmosfera e eu estou voando. E eu sinto saudades do buraco, da espera, da angústia. Eu sinto falta de olhar triste para o espelho e me sentir metade. Agora que eu tenho você, nem perco mais meu tempo olhando para o espelho, porque só tenho olhos para você. Você me roubou de mim mesma. E eu sou tão ciumenta que estou com ciúmes de mim. Você me tirou da minha vida incompleta. E me transformou numa completa idiota. O amor é uma doença. Eu sinto náuseas, febres, dores musculares. Eu acordo assustada no meio da noite. Eu choro à toa. Eu estava do lado da sujeira, eu era a outra, eu estava por dentro do crime. Você me fez sentir um mundo limpo, verdadeiro e eterno. E esse mundo é tão novo pra mim, que eu te odeio. Que eu estou pequena nele, e preciso de você o tempo todo para me abraçar e dizer que está tudo bem. E quando você não está por perto, eu caio. Porque não sei nada desse mundo de alegrias e coisas bonitas. Você não me deu saída. Você transformou todas as vozes que me davam escapatórias para outros corredores, em sons sem lábia. Minhas saídas perderam as escadas escuras e charmosas, porque você lavou meu chão de imundícies com amaciante Fofo. Se eu tentar fugir, escorrego no perfume da minha nova vida. A nova vida que não sei viver. A nova vida que quero viver ao seu lado. Ao lado do homem que eu odeio porque nunca amei tanto. Ao lado da felicidade que eu odeio porque se ela acabar, não sei mais se consigo voltar pra casa. E nem se quero. Era eu, entende? Era eu que me atracava com o lado errado da vida para estar sempre certa. Era eu a resposta para todas as perguntas que ninguém tem coragem de perguntar. Sim, o mundo é imperfeito, as pessoas traem, o amor não existe, seu marido me come, seu namorado me come, o mundo quer me comer enquanto você borda seu laço cor-de-rosa. Agora eu estou aqui, inconformada com o seu passado, querendo matar suas lembranças. Com ciumes do seu silêncio porque ele está com você há mais tempo do que eu e eu tenho medo do quanto ele te consome, com ciumes do seu sono porque ele te leva do meu foco. Com raiva da sua importância porque ela me congela, com raiva do tempo que não dura para sempre quando você me olha sabendo das minhas loucuras e ainda assim me amando. Agora eu estou aqui, querendo que todos os amores do mundo durem para sempre, e que nenês nasçam, e que árvores cresçam e que garotas vagabundas não nos invejem e que os desejos das nossas sombras não nos traia. Agora eu estou aqui, de quatro, de língua no chão, te odiando muito, virando a cara, socando você, cuspindo em você, te tratando mal, tudo isso porque não sei lidar com o mundo girando na minha barriga, a tontura do amor, o enjôo do vício em você, a dor do músculo quando me separo. Pode parecer maluco, mas todas as minhas súplicas para que você desista de mim, é um jeito maluco de pedir que você não desista nunca, pelo amor de Deus."
(Tati Bernardi)
Esse fim de semana vou aproveitar Jericoacoara-CE, não conheço e sempre tive a maior vontade de conhecer, dizem que é lindo e espero comprovar com meus próprios olhos e, é claro, com muitas fotos, que eu adoro. Sei que não tô no melhor dos climas, mas é justamente por isso que preciso me distrair.
Já comprei tudo o que preciso pra viagem, mas não fiquei feliz, na verdade, deprimi. Tô gorda [balofa, baranga] e precisando de dieta e exercícios, pra ficar bonita, gostosa, me sentir bem comigo mesma e não entrar em desespero num provador de loja. Depois da viagem eu vou começar um regime e entrar em alguma atividade física, talvez aula de forró ou academia, ainda não decidi, mas eu preciso fazer alguma coisa!
Aguardem as cenas dos próximos capítulos!
Beijos, beijos!

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Bagaceira do Béé

Bagaceira todo mundo sabe o que é e essa foi digna do nome, começou por volta do meio dia e só foi acabar lá pelas 2 da madrugada. Muito churrasco, cerveja, forró, risadas e amigos. A receita mágica para uma festa perfeita. No final, é claro que a casa ficou destruída (inclusive a porta do banheiro que uma doidinha fez o favor de se trancar dentro), mas o saldo foi superpositivo, todo mundo amou.
Tanto é que já estamos planejando o primeiro bregão, I Fest Brega, com data previamente marcada pro próximo dia 07.12 (mas ainda vamos deliberar com o Conselho pois sugeriram alteração para o dia 18.12, rs), com direito a 'amigo da onça' , repertório brega, todo mundo à caráter e tudo mais. Incrível como o povo adoooora uma festa, inventam de tudo, só precisam do pezinho, alguém dá um idéia, um insight e pronto, já virou festa, na certa.

Santiago
Danniel e Rafaela Amores de amigas Gabriel adora o meu colo
O anjinho mais gostoso da festa, que esteve em todos os colos e apaixonou todos os convidados, é claro que foi o Gabriel. Fofo, gostoso, cheio de sorrisos e gracinhas, é impossível não amar e olha, como eu amo esse guri, viu?

Jaque e Marcelo Amoooo esse povo! Meninos Meninas Porque eu não largo o copo? Meu pedacinho de chocolate branco! Amoooo!
Maridas: é claro que eu amo! Julimar Michelângelo
Danniel, César e Maurílio
Eu querendo ser do tamanho do Mau-Mau
Ele nem é mais furão: Marcelo
Kbção do meu coração
Todo mundo só babando o Biel
Gostooooso pra xuxu, xuá xuááá...
O post tá atrasadinho, eu sei, a festa foi na semana passada, mas sei também que vocês entendem. Até o meu sumiço de alguns blogs, eu sei que quem tá por dentro, entende de verdade. E eu agradeço, sabe? Agradeço muito. Pelo apoio e carinho que recebo de longe, em forma de email e comments, mostrando que os blogueiros amigos podem ser amigos de verdade, que se importam e sabem como estar perto, mesmo que de longe, que sabem que as palavras amigas e carinhosas podem dar alento e colo. Obrigada, mesmo, de coração. Também não posso esquecer das pessoas que estão mais próximas do que nunca, me ajudando mesmo, em tudo, na parte emocional e física da coisa. Obrigada, Carol, Jáder, Jaque, Gg e Letícia, principalmente. Você estão no meu coração, amo vocês sempre.
Esse fim de semana já teve outras coisas para mostrar pra vocês, sexta teve churrasco na casa do casal de amigos César e Aline, muita picanha, cerveja gelada, pão de alho e risadas, garantia de diversão total. No sábado, fui com os amigos para o Festival do Caranguejo de Ilha Grande, comidas típicas, bregão com Baltazar e forró com Banda Bali, bom demais. No domingo, praia e mais churrasco.
Distrair a mente. Abstrair os problemas. Eis o meu lema.
Beijos, beijos!

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Não é fácil

"Não é fácil
Não pensar em você
Não é fácil
É estranho
Não te contar meus planos
Não te encontrar..."
(Marisa Monte - Não é fácil)

Desabafo


 "Eu perco o chão, eu não acho as palavras
Eu ando tão triste, eu ando pela sala
Eu perco a hora, eu chego no fim
Eu deixo a porta aberta
Eu não moro mais em mim...

Eu perco as chaves de casa
Eu perco o freio
Estou em milhares de cacos, eu estou ao meio
Onde será que você está agora?"
(Adriana Calcanhoto - Metade)

Músicas de fossa me fazem bem, principalmente quando estou de fossa, quando estamos sensíveis tudo toca bem lá no fundo. Meu relacionamento de praticamente 3 anos acabou. Foi porque eu decidi assim, eu sei, mas não pensem que por isso foi mais fácil. Muito pelo contrário, foi muito difícil e muito doído. Na verdade, ainda dói. Todos os dias dói. Por tudo o que não foi, por tudo o que poderia ter sido. Por toda a felicidade que eu vivi, por todos os planos que eu sonhei. Por toda a certeza que um dia eu tive e hoje não tenho mais. Eu tenho medo, muito, demais. De estar fazendo uma grande besteira, de estar jogando fora o amor de uma pessoa que me ama e faz tudo por mim, de nunca mais encontrar um amor tão lindo e que me faça tão bem. Mas eu não posso me enganar, não posso mentir pro meu coração, não consigo mais tentar, não posso reconstruir nada à distância, eu desisti.
Ainda não me desliguei da minha vida com ele, as fotos no meu quarto continuam no lugar, o nome dele no meu celular ainda é 'Amor' e os os pais dele ainda estão lá como 'Meus Sogros'. É difícil demais não tê-lo mais na minha vida, eu sinto muita falta do que éramos antigamente, todo amor, carinho, cuidado, a certeza absoluta do amor infinito. Eu daria tudo para ter isso de volta, porque racionalmente eu ainda queria que ele fosse meu marido, meu companheiro pra vida toda e pai dos meus filhos, porque eu sei que ele é tudo o que eu procuro num homem. É difícil não encontrar mais o sentimento que havia dentro de mim, não que tenha acabado, mas mudou e não foi para melhor. Pensar que ele está, neste momento, sofrendo por mim acaba comigo. Eu quero saber dele, quero que ele reaja, mas sei que ainda assim quero que ele me ame e que não me esqueça e que ninguém jamais seja pra ele o que eu ainda sou. É egoísta e horrível, eu sei, mas é o que se passa dentro de mim.
Olho para minha vida e não sei o que fazer, desacostumei de ser solteira, sinto falta de uma mão pra segurar a minha na pizzaria, sinto falta de ligar pra dar 'bom dia' e 'beijo, boa noite, te amo, Deus te abençoe', eu lembro dele nos pequenos gestos de outras pessoas, eu sinto falta da intimidade que era tão nossa. Me chamem de louca, inconstante, do que quiserem, mas ele vai ser sempre o 'meu melhor namorado' e da minha boca só sairão palavras para elogiá-lo. Vou sofrer muito no dia em que o vir com outra pessoa e se eu não chegar a ver, só saber já vai ser terrível. Me perguntem porque estamos separados, porque eu terminei? Por que, às vezes, não é que falte sentimento, mas simplesmente chega num ponto que não dá mais. Por mais que eu não o ame mais como antes, por todo o desgaste do nosso relacionamento, no fundo, de certa forma, sempre vou amá-lo. Só que eu não posso mais tentar à distância, isso eu não consigo mais.
E quem sabe o que a vida nos reserva? Em quantos caminhos poderemos nos encontrar novamente? Ou não. Vai saber? Isso só mesmo o tempo vai dizer.
Tô triste, tô mal, tô deprê. Eu sei que vai passar, só que não é hoje, não é agora. Não sei se deveria dizer tudo isso aqui, num lugar que eu sei que as pessoas vão ler e vão julgar, mas sabe?, não importa de verdade. Eu preciso mesmo é desabafar.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Dia do Servidor Público - a comemoração


Acho que falei pra todo mundo no twitter sobre essa festa, mas é porque eu adoooro as festas na Ufpi, primeiro porque é de graça, segundo porque sempre é num lugar legal e terceiro porque é uma chance de confraternizar com as pessoas com quem trabalho, mas que não tenho muito contato. E com as que tenho, nem precisa dizer, né? Só alegria!!!
Salgadinhos deliciosos, feitos na hora, que derretiam na boca, chopp naquele preço e músicas dos anos 80, pra animar a galera... Geeente, foi muito, muito bom! Adoreeeei e quero mais!

A organizadora da festa: Dagmar
Ritinha, Jáder, Dagmar, eu e Eliane
Administrativos da UFPI
Jáder (Kbção) e euMário Hernandes
JulimarPorque ela é minha marida e "Personal Encosto Tabajara"... Amoooo! Todos meus! Kkkkk! Beijo duplo no Kbção que a gente ama!
Outra festa agora só mesmo no Natal, mas essa é sempre mais comportada, num buffet, com celebração, presentes e tudo mais. Mas neste fim de semana tem a Bagaceira do Bééé, uma festa que vai dar o que falar e eu prometo contar tudo depois, prometo!
Sei que estou sem inspiração estes dias, sei que não estou visitando muitos blogs, mas é que minha vida está passando por uma fase tão triste que eu tento sufocar minha tristeza com momentos de alegria, porque eu sou forte e eu consigo superar.
Beijos, beijos!