quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

.Feliz Ano Novo.

Pra você, a Receita de Ano Novo, de Carlos Drummond de Andrade:

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação como todo o tempo já vivido
(mal vivido ou talvez sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,
novo até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens? passa telegramas?).
Não precisa fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar de arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto da esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.
Para ganhar um ano-novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.


Texto extraído do "Jornal do Brasil", Dezembro/1997.


FELIZ ANO NOVO E TUDO DE BOM PRA VOCÊS!

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Amigo Secreto .quem eu tirei.

Esse ano resolvi participar de um Amigo Secreto diferente, com blogueiras lindas e que se 'conheciam' do mundo virtual. Um grupo muito seleto: Intense, Bel, Jady, Lile, Patrícia Daltro e eu. Resolvemos batucar na lage, fizemos cadastro no site do Amigo Secreto e nos divertimos muito com a brincadeira. Ainda não recebi meu presente e nem sei quem me tirou, mas a Bel já recebeu meu presente e amou. Fez um post lindo (que vale muito a pena ser lido!), todo carinhoso (que eu simplesmente amei), além de deixar extravasar fortes emoções. Quem também já recebeu os presentes foram Lile e Patrícia e também estão felicíssimas.

Muito, muito, muito ansiosa, só faltam Jady, Intense e eu recebermos presentes e já que sou muito inteligente, cheguei a brilhante conclusão que só podem ter me tirado três moças: Lile, Patrícia ou Jady (sou um gênio! Hahaha!).

É isso, quando eu tiver mais novidades, posto por aqui. Tomara que meu presente chegue até quarta, já que é o meu recesso e vou viajar pra Teresina à noite. Já pensou se eu só receber meu presente em 2011??? Nãããão, peloamooor. Vão cruzando aí os dedos pro Correios não me deixar na mão.

Beijos, beijos!

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

TCC - o confronto!

Depois de semanas terminando o trabalho, mandando emails para as orientadoras, pentelhando a prof. Renatinha (fofa! um dos meus anjos da guarda!), corrigindo a metodologia científica, querendo que todo mundo lesse meu trabalho e me dissesse se estava tudo certo, gastando rios de dinheiro com formatação e cópias, enfim, chegou o dia da minha apresentação. É claro que eu estava nervosa, muito. Não tenho dificuldade em falar em público, na verdade, tenho muita desenvoltura com plateias e já tive experiência em apresentação de monografia no meu curso de Secretariado Executivo, mas mesmo com toda essa bagagem, não tinha como eu ficar relax.

Foram três dias de apresentação, o meu foi o último e mais intenso, por causa de apresentações do segundo dia que foram transferidas pra quarta-feira, em razão da falta de energia na faculdade, inclusive a do Eduardo (que arrasou e tirou 9,2, diga-se de passagem). Eu sabia que meu trabalho estava bem feito, confiava em mim e no meu potencial. Também tinha o apoio dos meus amigos, nós nos apoiávamos mutuamente em cada apresentação, em cada nota revelada, além do aval das minhas orientadoras, claro.

Comecei minha explanação até que tranquila, apresentei os dados, as atividades que fiz, a pesquisa de satisfação, mas no meio da apresentação dos resultados faltou energia. Sério. E a coordenadora do curso disse para eu continuar a apresentação. E eu continuei, na cara e na coragem. À base de notebook e luzes de celulares, que fique bem claro. Morrendo de medo de estourar o tempo, sem enxergar direito. Terminei em cima do prazo, os amigos já estavam loucos tentando me dizer que o tempo estava esgotando. Recebi as perguntas da banca, as respondi e elogiei minhas orientadoras, especialmente Auristela, outro anjo da guarda.

Morri de nervosismo ao aguardar a nota, recebi os parabéns das pessoas, com Eduardo me dizendo que se eu não tirasse dez iria tocar fogo na faculdade, rs, o dramático. Quando entrei na sala novamente, eu estava zonza, me tremendo toda, processando as coisas lentamente. Só quando a Auristela já estava me elogiando foi que entendi que havia tirado 10. Tipo, eram duas notas, pelos relatórios e pela apresentação, daí era tirada a média, e eu tive que olhar pra ficha de avaliação dela, no escuro ainda, para ter certeza que tinha mesmo ouvido bem, que tinha tirado 10.

Eu juro que queria ter um gravadorzinho naquele momento para ouvir muitas e muitas vezes todos os elogios que elas me fizeram (tenho uma linha de raciocínio lógico brilhante, sou muito desinibida e soube contornar muito bem os contratempos, Auristela me disse ter sido um prazer me ter como aluna e orientanda, que eu teria sucesso em qualquer área que quisesse atuar e me indicou especialmente a docência, pois eu tenho talento, pra vocês terem noção). É claro que eu agradeci imensamente e fiquei louca-doida-varrida, saí da sala já gritando e me pendurando no pescoço do Eduardo. Sei que muitas pessoas me parabenizaram, mas não lembro exatamente quem foi, estava tonta de emoção. Minhas mãos tremiam tanto, parecia que meus ossos eram geléia, suava feito louca. Eu não conseguia me controlar, a adrenalina no meu organismo só começou a baixar no final da outra apresentação (já com luz, êba!)

Apresentação


Mayra, eu e Naiara
Mau-caráter que eu amo
Eduardo e o TCC
Fui a única da turma a tirar 10 e pode parecer convencimento, mas estou muito orgulhosa de mim mesma, não posso negar. Só eu sei o quanto lutei para concluir esse curso, tudo o que sacrifiquei e quantas horas (e anos) da minha vida dediquei a isso. Se estou orgulhosa é com razão e merecimento. Agora, podem vir as festas em janeiro, tudo o mais que vier, só serão glórias e agradeço aqui a cada um que contribuiu direta ou indiretamente para essa minha conquista.
Beijos, beijos!

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

.cute-cute.

Eu já não era linda, fofa e metida desde a tenra idade? Hahahahahahaha! Sim, sou eu com 1 ano e alguns meses e não, minha boca quase não cresceu desde então. Em compensação, sempre fui uma diva, prestem atenção em todo o charme e no 'carão' que eu já fazia nessa época, rs.
Só pra descontrair, enquanto não apresento o bendito TCC, continuem torcendo por mim!
Beijos, beijos!

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

.tired.

 "Estou cansado, é claro,
Porque, a certa altura, a gente tem que estar cansado.
De que estou cansado, não sei:
De nada me serviria sabê-lo,
Pois o cansaço fica na mesma.
A ferida dói como dói
E não em função da causa que a produziu.
Sim, estou cansado,
E um pouco sorridente
De o cansaço ser só isto —
Uma vontade de sono no corpo,
Um desejo de não pensar na alma,
E por cima de tudo uma transparência lúcida
Do entendimento retrospectivo...
E a luxúria única de não ter já esperanças?
Sou inteligente; eis tudo.
Tenho visto muito e entendido muito o que tenho visto,
E há um certo prazer até no cansaço que isto nos dá,
Que afinal a cabeça sempre serve para qualquer coisa."


(Cansaço - Álvaro de Campos, in "Poemas" Heterônimo de Fernando Pessoa)
*O bom é que eu posso jogar a culpa toda no TCC. E graças a Deus está quase acabando. Dia 15.12 é minha apresentação, torçam por mim!

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Escola 'Gerson' formando gerações


Quando ele me adicionou no msn eu já sabia que não o conhecia pelo nome e sobrenome e quando começamos a conversar pensei: ‘Ufa! Pelo menos não é mais um taradinho da internet’, porque se você não sabe, eu devo dizer, sim, eu atraio taradinhos da internet, homens, mulheres, casais, todos querendo me transformar numa praticante de swing, lesbianismo, ménage, entre outras modalidades sexuais. Na vida real, também atraio tipos inóspitos, os comprometidos me farejam à distância. Não sou puritana ao ponto de dizer que nunca fiquei com alguém comprometido, já aconteceu, mas não é algo que eu procure preferencialmente, apenas acho que sou solteira e não devo me preocupar com as namoradas alheias, se rolar o clima, todo mundo é adulto, não? E olha, não vou dizer que sou de parar o trânsito, mas tenho lá o meu charme, se você quer saber.

Eu escrevo, mas nada demais, o blog é minha válvula de escape, meu vício, meu diário, mas ó, é um blog de família, não abordo nada nem perto do sexual. Então, quando ele me disse que me adicionou porque gostou do blog, do meu perfil e porque aprecia mulheres com unhas vermelhas – e eu sou adepta – não achei nada demais. A conversa entre nós fluiu facilmente, logo encontramos várias coisas em comum e muito rapidamente nasceu a vontade de nos conhecermos pessoalmente. Passávamos horas e horas conversando no msn, nos adicionamos no orkut, nos falamos por telefone. E fora um ou outra confissão pessoal, nossas conversas sempre foram num nível bacana, eu o achava até tímido, no princípio. É claro que eu estava encantada por ele, não apaixonada, óbvio, mas muito interessada naquela pessoa tão bacana que morava tão longe, mas que eu queria ter mais perto.

Daí ele me confessou que gostava de pés femininos com unhas pintadas de vermelho e que tinha fetiche em ele mesmo pintar as unhas de sua parceira. Eu achei até bonitinho. Ele me pediu para fazer isso comigo quando me conhecesse e eu nem vi nada demais. Mas fui perdendo um pouco da graça de conversar com ele porque, aos poucos, ele só queria saber dos meus pés e de quando iria pintá-los de vermelho. Foi ficando chato, eu tentava não dar bola, cortar o assunto. E quando ele parava com essas conversas bobas, voltava a ser a pessoa que me encantava e me fazia ter vontade de conhecê-lo melhor, pessoalmente. Bonito, engenheiro químico, 26 anos.

Algum tempo sem conversarmos direito, me pego saindo do trabalho quando ele entra no msn já puxando papo, querendo saber com que cor estavam pintadas as minhas unhas. Estranho, no mínimo. Mas era só a deixa que ele queria para me dizer que ele tinha pintado as unhas dele de vermelho. É claro que fiquei chocada, mas eu nem imaginava o que ainda estava por vir. Foi só o início da série de revelações que ele me faria naquele dia. Gostava de ser escravizado, chicoteado, humilhado, que lhe passassem vinagre no corpo. Gostava de lamber os corpos femininos molhados de vinagre. Não entendi o porquê. Vinagre? Não entendi mesmo. Mas o pior ainda estava por vir, ele me confessou, então, que era adepto de um fetiche estranho e que tinha vergonha de contar. Eu, curiosa ao extremo, disse que ele podia contar, que eu não iria julgá-lo. Sei lá, eu estava preparada até pra ele dizer que gostava de ‘fio-terra’, brinquedinhos, essas coisas, a julgar pelas unhas vermelhas que ele gostava de usar nele mesmo. Mas não, ele me fala uma palavra estrangeira que eu não sei o que é, mas que quer dizer tudo. Então, ele me explica e eu fico petrificada em frente ao computador. Ele sente prazer em comer as fezes da parceira. Sim, isso mesmo. Ele come cocô. Gosta de se lambuzar com o cocô, comê-lo e tudo mais. Nojento, eu sei. Eu só conseguia pensar ‘como dá na cabeça de uma pessoa que ela gosta de cocô?’.

Perguntei logo das suas namoradas, se elas participavam daquilo, ele me disse que isso não era algo que ele contasse a qualquer pessoa, que não partilhava disso com elas. Eu tinha que fazer uma prova na faculdade, saí correndo do msn, mas não conseguia nem me concentrar direito, só pensava nisso. O mundo é cheio de putaria, a gente é que não sabe. Quantas pessoas julgamos ‘normais’ tem essas estranhas preferências? Ninguém conhece ninguém mesmo. As pessoas que ele convive não sabem que há algo errado com ele. Sim, porque não consigo pensar que está tudo bem com uma pessoa que se excita ao comer fezes, deve ser algum problema psicológico grave. Sem contar que deve fazer mal à saúde também. Na saída da prova, liguei pra uma amiga, desabafei. Ela ficou chocada, já sabia sobre o rapaz do msn. Toda vez que eu lembrava do assunto meu estômago revirava.

Ele conversou comigo outras vezes, perguntei detalhes de como ele tinha descoberto essa vontade, curiosa que estava de sua iniciação naquele fetiche, ele disse que se excitou ao ver um vídeo, que pintava as unhas desde moleque, que sempre se excitou bebendo vinagre. Contou histórias de realização das suas fantasias e até mesmo queria me convencer a partilhar dos seus fetiches. Sem ofendê-lo, declinei do convite. E ele, então, quis desdizer tudo o que já havia dito, quis negar o que, àquela hora já era inegável. Não colou, então, acho que ele resolveu não se importar mais com minha opinião. As conversas começaram a girar em torno de assuntos polêmicos, eu tentava cortar, ignorar, mas não sabia o que fazer, ele tinha todos os meus contatos. O garoto encantado virou um sapo que eu tinha que me livrar.


Depois de várias conversas tensas, ele começou a me ofender e a ser muito preconceituoso com meu estado e origens. Eu fingia superioridade, só pra mater as aparências. No fundo eu só queria que ele esquecesse minha existência, mas comecei a ser grossa com ele também, fui enxendo o saco. Quanto menos eu respondia aos seus recados, mais ele ficava obcecado por mim. Até que ele resolveu ser muito cretino e fez observações xenofóbicas em fotos da minha tatuagem no orkut. Da primeira vez, apenas ignorei, apaguei o comentário. Mas ele insistiu, o idiota, e eu chutei o pau da barraca: escrevi um recado na página dele que ele e os amigos que tiveram a sorte de ler, jamais irão esquecer. No fim, mandei-o tomar no cu, por que, olha, tava entalado na minha garganta. Bloqueei e excluí de todas as formas possíveis e não me arrependo. Ele ainda tentou me ligar, mas de forma alguma irei ter contato com ele novamente. De vez em quando, ele me adiciona com nomes falsos, mas quando descubro que é ele - que só quer me xingar mais e mais - torno a bloquear e excluir tudo de novo.

 *Adaptado.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

.no limite.


Ultimamente tô ficando cansada só de pensar em acordar. Um novo dia é recebido por mim com uma profunda preguiça de viver. Isso porque estou fechando um ciclo muito importante da minha vida e isso demanda pequenas - e grandes - coisas com que se preocupar, entre outras coisas tenho que terminar tcc e todo mundo sabe o quanto isso é chato, além de resolver mil problemas da formatura e conviver constantemente com as pressões de prazos de final de curso (como entrega de relatórios de estágio supervisionado e atividades complementares), não é o fim do mundo, claro, todo mundo passa por isso, mas tem me deixado muito estressada.
Sem contar na insônia que tem me atacado, vocês não tem noção do quanto eu fico mal humorada se não consigo dormir direito, porque eu adoro dormir e definitivamente tenho sono, mas não consigo descansar, 'desligar,' sabem? Fico 'fritando' na cama de um lado pro outro a noite inteira e me irrito ao acordar com os olhos 'cheios de areia', muitas vezes nem parece que dormi, é como se tivesse passado a noite em claro, tirando leves cochilos por poucos minutos.
Não tenho rendido muito no trabalho também, acho que preciso de férias. Mas férias de verdade, sabe? Não como as últimas que tive que foram só de coisas e mais coisas - chatas - para fazer. As aulas estão praticamente no fim, mas chego em casa com vontade só de dar um tempo de tudo, procuro o apoio dos meus livros, sempre posso contar com eles. Me distraio e me divirto.
Vou levando, na verdade, sei que é fase, que em breve vou terminar meu curso e nem sei de verdade o quanto ficarei feliz com isso, já que faço Administração desde 2005 sem nunca ter reprovado nenhuma disciplina. Culpa de ser transferida, claro. Desperdicei disciplinas, notas e muitas aulas que tive na Uespi. Claro que não foram um desperdício completo porque aprendi também com elas, além, é claro, de ter cursado com pessoas maravilhosas que ainda hoje contribuem de forma absolutamente indispensável para a minha vida. Concluir esse curso foi desgastante e exigiu demais de mim, mas sei que a vitória terá um gosto muito mais doce, justamente por isso.
Eu quero uma licença de dormir,
perdão pra descansar horas a fio,
sem ao menos sonhar
a leve palha de um pequeno sonho.
Quero o que antes da vida
foi o sono profundo das espécies,
a graça de um estado.
Semente.
Muito mais que raízes.
 

(Exausto - Adélia Prado)

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

CONSUB 2010 - Porto Alegre (RS)


Ainda não tinha mostrado para vocês minhas fotos em Porto Alegre, no Congresso das Secretárias das Universidades Brasileiras, né? Adorei a cidade, o clima perfeito da primavera, por volta dos 16º (friozinho, mas nem tanto, ainda bem, afinal eu sou de Teresina, né?), a UFGRS, todas as pessoas gentis e educadas que me atenderam ou conversaram comigo, enfim, uma viagem que valeu muito a pena. A cidade é linda, andei muito de táxi e de ônibus, deu pra conhecer muitas ruas, pontos turísticos, parques com pessoas fazendo caminhada e criancinhas brincando às duas tarde (o que torraria qualquer mortal em Teresina), shoppings, pessoas. Bati muita perna, vocês não tem noção! Logo, achei uma companheira à altura, então, foi só alegria!
Cheguei em Poa (olha que íntima!) no domingo, dia 26.09, direto do aeroporto pro apartamento da Carine (irmã da Carol), mas já muito tarde, então o clima foi só de fofoca e soneca.Na segunda (27.09), muito intrépida, lá fui eu - de ônibus, segundo os ensinamentos de Carine - pro centro, encontrar com as amigas secretárias e explorar o centrão, cheio de lojas, ladeiras e promoções de queima de estoque de inverno. Almoçamos, passamos no hotel das meninas e depois fomos pro Barra Shopping Sul e eu me encantei com uns óculos da Triton lindérrimos, a Saraiva Megastore e uma outra loja de livros que tem lá e que não lembro mais o nome, mas que passei uma boa meia hora dentro dela salivando. Eu poderia me perder lá dentro, nunca mais ser encontrada e nem perceber a passagem do tempo (como o País das Fadas das Brumas de Avalon).
À noite fomos pro credenciamento e abertura do Congresso e nos encantamos com a UFGRS. O Campus imenso, a Reitoria um luxo só, o auditório (aliás, tá mais pra um teatro) enorme, comportava mais de mil pessoas. No coquetel, ao pedir para uma moça tirar uma foto do nosso grupo, fiz uma amiga, Jaqueline, da UNIR, de Rondônia e ainda nem sabia disso. As amigas secretárias foram embora logo depois do coquetel e como ainda era cedo, eu e minha nova amiga fomos bater perna no Shopping Iguatemi.

Abertura
Den e euUFGRSCONSUB 2010 Apresentação cultural Delegação da UFPI: Clauridete, Amparo, Denille, eu e Raquel
No dia seguinte, terça (28.09), começaram os ciclos de palestras, mas entre os intervalos, aproveitamos para almoçar em locais diferentes, visitar shoppings, comprar lembranças de Poa para a família e os amigos no Bolicho Gaudério e bater muita perna. Comprei horrores, inclusive uma super bota linda de salto alto e camurça preta que eu jamais vou usar em Teresina (e no nordeste), mas não resisti porque estava muito barata. E eu até nem sou tão consumista assim, mas andava com a pessoa que mais queria levar Porto Alegre na mala, então acabava dando as minhas escorregadas, rs. Jaque fez da minha viagem muito mais bonita, Porto Alegre sem ela com certeza não teria tido o mesmo brilho.

Raquel, Den e eu
Palestras
EstrelinhasJaque and mePiauí no Rio Grande do Sul Apresentações de CTG's nos intervalos
À noite, eu e Carine fomos pra Dublin, um pub irlandês em que Carine é assídua, bem legal. Encontramos Marsy e Cris e fofocamos horrores, rs. Apesar de que as meninas não demoraram muito e ficamos só eu e Carine, foi muito bom. Encontrei uma caipimorango de vodka e não quis outra vida. Não peguei ninguém, como sempre só os trambolhos me paqueraram, mas ri demais!

Nachos
Eu, Cris e Marselha Marsy, Carine e euAprontando... nós??? Adoooooro!
Na quarta (29.09), mais e mais palestras. Como em todos os congressos, umas mais interessantes, outras cansativas, mas sempre há espaço pro conhecimento. No intervalo, fomos almoçar no El Viejo Panchos, um restaurante uruguaio excelente e muito bem frequentado (tinha foto de artistas cobrindo todas as paredes!), almoçamos ao lado do Gianechinni, hahahaha! E nossa, comemos uma salada ceasar e um brochet de cordeiro que não era desse mundo, muito delicioso. Fomos no Iguatemi de novo, que Jaque queria comprar toda a loja da Lugano (e da MAC também, mas não deu, né?).
Voltamos para a UFGRS e assistimos mais palestras, que enfim era esse o principal motivo de estarmos lá (ahn? era mesmo? rs). Mas, terminamos o dia no Arte Freddo, uma boutique de sorvetes. Tomei um sorvete de creme de leite e um de chocolate simplesmente divinos. E tinha os mais diferentes sabores: tiramisú com calda de frutas vermelhas ou com calda de figo e nozes, manjericão com calda de morango, chocolate com pimenta, gianduia com avelã, tapioca com calda de maracujá e manga com calda de pimenta ou gengibre. Inclusive sorvetes salgados, como os de gorgonzola e azeitonas pretas, que eu, na minha ignorância, nem sabia que existiam.

Me sentindo!
Parceria é parceria! Sacada da ReitoriaEle tá me seguindo! El Viejo Panchos Dá pra ver o Giane? Casa do Visconde de Sabugosa no Iguatemi Jaque no Arte Freddo
À noite fui na Dublin, de novo, dessa vez com Carine e Bina, uma amiga muito querida que eu não via há tempos, então, óbvio que fofocamos um monte. Pena é que não tem foto, porque a câmera inventou de descarregar, mas foi uma noite muito divertida. Bina é uma dessas pessoas iluminadas que não tem como você não gostar, um amor de pessoa!
No último dia em Porto Alegre (30.09 - dia da secretária!), fomos assistir a última palestra pela manhã na UFRGS e pegar nossos certificados, depois do almoço nos encontramos com Jaque para dar mais um passeio no centro, mas nosso vôo era à tardinha, então não demoramos muito. Bina foi me pegar no apartamento da Carine (e deu carona pra Jaque também) e me levou no aeroporto. O vôo foi tranquilo, mas cansativo e cheguei em Teresina à meia-noite, debaixo de um calor singelo de 35º, rs.
Centro de Poa

Porto Alegre me encantou, pela sua diversidade e beleza, espero voltar em breve e ter tempo de conhecer a Serra Gaúcha, Gramado, Canela e todas essas belezas.
Update - 22.11.10
Esqueci de dizer que o próximo CONSUB será em Minas Gerais (Uberlândia), em 2012. Não é possível que não dê certo eu conhecer a Dani, né?
Beijo, beijo!

Post relacionado:

terça-feira, 16 de novembro de 2010

.o que há em meu coração.



"Ninguém é um ser acabado que num momento dado não sinta falta de alguém que venha completá-lo."
(Podes crer na dúvida - Validuaté)
Não sei o que acontece com os relacionamentos atuais que acabam sempre caindo no desrespeito. Não vou generalizar, mas os exemplos que chegam a mim são os piores possíveis. Tem um ano que estou solteira e nesse tempo, a grande maioria dos caras que deram em cima de mim eram comprometidos. Namorando, noivos, casados esperando o primeiro bebê e por aí vai. Isso me brocha totalmente. Não que eu nunca tenha ficado com alguém comprometido, acontece nas melhores famílias, é fato, mas já tenho em mente que não vai passar daquilo.
As pessoas sempre querem saber porque eu estou sozinha, sei lá o motivo de acharem que ter alguém é garantia de felicidade ou que o fato de estar solteira significa que ninguém quer namorar comigo e que eu estou muito infeliz com isso. Nem é, apenas as pessoas que quiseram, ou eram amigos ou erros de percurso por conta de álcool demais. É tudo tão cansativo e no final das contas ninguém tem nada a ver com o que eu faço da minha vida sentimental.
Eu me sinto velha, sabe, inadequada aos tempos modernos? Não sei dar em cima de ninguém e nem quero aprender. Detesto 'pegar gente' em balada porque os caras só estão olhando o tamanho da minha bunda. Quando eu conheço alguém legal, interessante, pode ter certeza que o cara já tem namorada e quando ele dá em cima de mim, perco o encanto. E não é querendo me gabar, mas sempre tem alguém interessado, só que dificilmente é alguém que eu leve a sério. Prefiro não estar com ninguém.
Não é que eu queira que a pessoa se apaixone por mim de cara, mas eu não vou beijar na boca de alguém que eu não tenha o mínimo de interesse, só pra dizer que eu 'tô pegando'. Eu me respeito, não me achei no lixo. E nem é uma crítica às pessoas que pegam geral, é só algo que não funciona para mim, em particular. Não que eu também nunca tenha ficado com alguém em balada ou que não aconteça de jeito nenhum, tudo depende do feeling, tem pessoas que você quer ficar de cara. Não precisam ser bonitas, basta serem interessantes e ter coisas legais pra te passar. Admiração, pra mim, é o principal afrodisíaco.
Quando eu era adolescente tinha a fantasia de me apaixonar por alguém com interesses semelhantes aos meus, como um poeta ou um escritor, não que eu seja um dos dois, claro, escrevo pra me sentir bem, simplesmente sem pretensões, mas sempre fui apaixonada pelas palavras e o universo que nelas contém. Me imaginava fascinada por ele, dividindo meus gostos por livros, filmes, músicas, artes. Me via enlevada numa relação que, além de tudo mais, me desafiasse intelectualmente. Obviamente, todo mundo tem direito a ter seus ideais românticos.
Sei que a realidade é diferente e que ninguém é perfeito, não precisam me dizer. Sei que vou me apaixonar de novo e que quando a gente se apaixona os detalhes ficam de fora, quem fala é o coração. Mas também conheço o meu coração, ele é exigente, se doa demais, mas não consegue fazer isso aleatoriamente ou sem cobrar nada de volta. Quando ele estiver pronto, inteiro e encontrar alguém que o conquiste, ele vai se abrir. E eu não vou apressá-lo, pois ele é independente de mim mesma e sempre encontra os seus próprios caminhos.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Ler faz crescer

Chegaram essa semana meus livros infantis do kit que o Itaú está dando a quem se interessar. Para isso é necessário se cadastrar no site, fornecer cpf, rg e endereço, mas não precisa ser cliente Itaú, nem nada disso. O da minha sobrinha fofa e afilhado lindo já estão garantidos! Eles estão distribuindo os livros enquanto durar o estoque. Então, não percam tempo!
Eu achei esse projeto social simplesmente fantástico, além de ser uma inteligente jogada de marketing está agregando um valor positivo inestimável à imagem do banco. Incentivo à leitura é algo que me comove em qualquer idade e incentivar futuros leitores me deixa ainda mais emocionada. Eu sou uma idealista e acredito que a Educação é o caminho para a evolução das pessoas como seres humanos.
Me interessei pela leitura por mim mesma, mas meu pai também foi importante quando eu já estava mais velha, já que ele me comprava livros e me deixava ler os da loja dele (e me dava os que eu gostava também). Uma das coisas que eu mais gosto é disseminar a leitura, porque depois que o 'vírus' nos pega, é impossível se curar. E também não tenho preconceito, acho que toda leitura é válida. Não é todo dia que eu tenho saco para Nietzsche, muitas vezes só quero me divertir com romances açucarados e cheinhos de clichê, de banca mesmo. O que me faz feliz eu abraço de cabeça erguida, os rótulos não me interessam. Mas só posso ter essa posição hoje porque evoluí nos meus gostos e opiniões e só pude fazer isso porque tive a chance de descobrir o que me interessava.
Faça parte dessa corrente em prol da leitura. Dissemine Esse 'vírus' você também!
Ler faz crescer
.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

.o dia em que fui ao show da Validuaté.


"...Validuaté é um tempo e um espaço, vários espaços a um só tempo e ainda muitos tempos num só lugar. É um canto, um verso, um conto, uma fábula, uma epopéia - enfim hemos de afogar o mundo em livros - um bilhete, uma notícia, uma lista de coisas preocupadas com o tempo e um lugar pra não se preocupar com nada [...]"

(Cd Validuaté - Pelos pátios partidos em festa)

Quase dois anos tentando ir ao show da minha banda favorita de Teresina e nunca dava certo. Ou eu não podia viajar quando eles marcavam o show, ou até estava lá, mas tinha outro compromisso inadiável (ou estava sem dinheiro/carro/companhia/etc), ou então me preparava toda para ir e o show era desmarcado. A Lu acompanhou minha saga várias vezes. Tanto é, que quando tinha show e ela ia, sempre me fazia inveja. Isso sem contar que já falei tanto deles no twitter que cansei a beleza dos meus seguidores, rs.

Quando o Eduardo me contou que ia ter show deles aqui em Parnaíba (o primeiro de muitos, espero!), como encerramento do Encontro Piauiense de História e Cultura, eu já sabia que estaria lá, salvo alguma catástrofe que acontecesse na cidade.

As companhias foram as melhores. Natália e Lu estavam aqui, fora as boas (más) companhias de sempre: Carol, Jáder, Léo, Claúdia, Eduardo e outros. Uma mescla de Audiogaragem e Besouros da Silva fez a abertura do show (adoooooro quando eles tocam Beatles). E quando, enfim, Validuaté subiu no palco minha expectativa chegava ao limite.

Eu, Naty, Lu e Carol
Eu, Eduardo e Lu
O show foi maravilhoso e muito mais, eles receberam muito carinho do pessoal de Parnaíba e creio que não tinham idéia do quanto eram queridos (e conhecidos) por aqui. Tocaram vários sucessos, inclusive os meus preferidos: Podes crer na dúvida, Meu bem nem venha, A onda, Essa moça, Eu só quero acabar com você, Eu preciso de você, Ela é, Cortesia, Junto, Não quero te agredir, Plaina Maravalha e a minha preferida entre todas: Bruta como antigamente. Tá, admito que enlouqueci totalmente quando eles cantaram a ‘Bruta’, muita emoção, rs.

Validuaté
Claro que eu não ia sair do show sem tietar, comprei os cd’s (já tinha as músicas no computador, mas acho super bacana – e importante – prestigiar o trabalho dos artistas que você gosta, principalmente em tempos de pirataria desenfreada, sem contar que o cd e o encarte são lindos, além de todo o trabalho que isso envolve), peguei autógrafos do Quaresma e do Thiago E., que são os compositores/cantores da banda (e vocês sabem o quanto eu admiro as pessoas que escrevem!), tirei fotos, enfim, fiz a festa.

Tietando Thiago E. (minha cara de felicidade diz tudo!)
Autógrafo do Quaresma
Tietando Quaresma
Admiro muito mesmo o som da banda, uma mistura de pop rock com vários sons, inclusive regionais, as letras são muito inspiradas, verdadeiras poesias. Por isso mesmo divulgo tanto, acho que um trabalho feito com tanto carinho merece a devida apreciação. Valeu muito a pena, com certeza um dos melhores shows da minha vida. Mesmo depois de chegar em casa, eu não conseguia parar de sorrir e cantar.

Pelos pátios partidos em festa e Alegria Girar

Só espero não demorar tanto tempo para ir no próximo show, né?

Beijos, beijos!

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Martha & Eduardo: o casamento

Sei que tô atrasada em dois meses nesse post, mas já diz a cultura popular (e eu adoro um clichê!) que antes tarde do que nunca, então, cá estou publicando, enfim, as fotos do casamento da Martha, em que fiz o maior alvoroço do mundo na época. O casamento foi lindo demais, a Igreja de Nossa Senhora do Carmo estava perfeita e aconchegante, tudo pensado com muito carinho e cuidado para um dia tão especial. Papys e eu os padrinhos mais orgulhosos e felizes, com certeza. Acho que não é necessário dizer que eu chorei, porque também é um clichê, rs.
Lay
Marília e Renato
A festa foi no Splendore e em tudo que eu via percebia o toque, o cuidado e o bom gosto da minha amiga. Ouvi falar de cardápios, missais, lembrancinhas, docinhos, bolo, noivinhos, convites, tiarinhas, oração das encalhadas, dança dos noivos e toda sorte de termos relativos a casamento durante vários meses. Ainda bem que quando eu for me casar - quem sabe daqui a quantos anos, rs - vou ter uma expert no assunto pra me ajudar. Foi tudo muito lindo, a banda massa demais (Eduardo ficou doido por ela!), a comida excelente (me acabei nas sobremesas, meu ponto fraco!) e o clima todo da festa era de alegria geral.
Os noivos
#melhoramigadomundotodo muito lindaBolo e noivinhos Lembrança dos padrinhos Docinhos Enfim, o vestido!
Falei desse vestido mais de um mês no twitter, não ficou idêêêntico ao da Demi (minha amiga, hahaha!), mas eu gostei demais. Como todo mundo sabe, não nasci pra ser discreta e fiquei me sentindo na entrega do Oscar com meu Dior (hahahahaha!). E ainda bem que o buffet tinha ar-condicionado, porque o calor de Teresina e essas camadas e camadas de tecido não combinam nem um pouco.

Papys, Martha, Eduardo e eu
Esse abraço não tem preço!
Os padrinhos e a mãe da noiva: tia TeresaLuuuu
Papys e LuCarolA dança dos noivos

Lay muito saidinha pegou o buquê e seguindo a tradição é a próxima a casar, hahaha, se lascou! Segundo minha #melhoramiga, eu era a solteira-mor e tive que ler a oração das encalhadas para a mulherada, foi muuuito divertido. Todo mundo quis tirar foto com o buquê, mas acho que casar mesmo tão cedo. Sei que me diverti demais, bebi muita espumante, encontrei muita gente, dancei, ri, abracei minha amiga e tirei milhões de fotos. Foi lindo e inesquecível.
Lay e Martha
Tirando uma casquinha do buquê alheio
Carol e JáderRenato e Eduardo (que biquinho é esse?)
Primaaaa!!!Trinca-de-trêsTodo o meu amor
Minha irmã de coração
O sorriso do papai é de orgulho e muito amor!
As melhores amigas da noiva: duas Ju's
Papai pé-de-valsa
Galera
Eu e meu irmão preto do quilombo
Dançando o tchan-tchan-tchan
A salvação do final de festa: chinelas de dedo de lembrança do casamento
É isso, casamento lindo, festa maravilhosa e os melhores votos de felicidade pro casal. Tem coisas que não tem preço, momentos que serão eternos, impalpáveis e refletem o mundo de sentimentos em poucas horas. São desses momentos que construímos a nossa história, são essas lembranças que nos causarão emoção daqui a alguns anos.
Sou muito feliz por ter uma amiga tão especial e poder compartilhar desse momento tão bonito e ímpar na vida dela e eu estarei aqui, sempre, para rir com ela nas alegrias e enxugar suas lágrimas se ela chorar, porque nossa amizade é uma irmandade, é uma história de amor fraterno muito bem construído ao longo dos anos e assim esperamos que continue sempre.
Beijos, beijos!