quinta-feira, 11 de março de 2010

Eu, pronome pessoal intransferível

"A todos trato muito bem, sou cordial, educada, quase sensata, mas nada me dá mais prazer do que ser persona non grata expulsa do paraíso, uma mulher sem juízo, que não se comove com nada, cruel e refinada, que não merece ir pro céu, uma vilã de novela, mas bela, e até mesmo culta, estranha, com tantos amigos e amada, bem vestida e respeitada, aqui entre nós, melhor que ser boazinha é não poder ser imitada."
(Martha Medeiros)
Tem dias que estou muito chata, mas na maioria do tempo sou legal. É que eu tenho uma fachada de séria, mas olha, não se engane, não sou boa companhia. Eu magôo as pessoas sem querer, por falar demais, por ser sincera demais e às vezes só pelo jeito de falar que eu nem quis que fosse grosseiro. Quando isso acontece, eu me entristeço, pois não era minha intenção. Eu ainda tenho muito o que aprender na vida. Mas é que eu sou o tipo de pessoa que fala as coisas na cara, detesto piadinhas, indiretas me cansam. Não tenho muita paciência para ficar agradando quem se ofende com tudo, quem fantasia que o universo conspira contra sua existência. Para essas pessoas, faço minha melhor cara blasé, conto até dez e sigo em frente. Tem coisas que simplesmente não valem a pena.
Eu sou toda grande. Olhos, mãos e pernas. Não lembro de alguém algum dia ter me definido como delicada. Eu falo alto, rio alto, gargalho, não sou discreta e nem nasci pra ser. Espontaneidade é insulto para muitas pessoas. Minha personalidade é forte, sou geniosa, orgulhosa, otimista. Não vim ao mundo a passeio, gosto de aproveitar as coisas que a vida me oferece. Com responsabilidade, sempre. Não sou cabeça de vento, apenas bem resolvida comigo mesma, livre, uma pessoa simples, respeito meus princípios e ajo de acordo com o que acredito ser correto. Erro, revejo meus conceitos, cresço, evoluo.
Não me preocupo com a vida alheia, não mais que a curiosidade normal que fofocas provocam em qualquer pessoa. Mas não perco meu tempo vigiando a vida de ninguém, sou muito ocupada, tenho mais o que fazer. Me falta tempo pra fazer as coisas que gosto, ler livros, assistir filmes, ir à praia. Se as pessoas tivessem o que fazer iria me poupar muito estresse desnecessário.
Sou mulher, e como tal, regida pela lua. Tenho minhas fases, meus dias ruins, minhas enxaquecas. Mas procuro fazer o melhor, se não consigo, paciência. Já aprendi que as pessoas não vão com a minha cara no começo, me acham metida, pretensiosa, mas depois que me conhecem me chamam de doida e me revelam que suas opiniões estavam erradas. De certa forma é bom surpreender as pessoas positivamente.
Não sou melhor do que ninguém, nem pior. Sou apenas eu, levando minha vida como acho que devo, trabalhando, estudando, brincando, sorrindo, amando, escrevendo. Vivendo.

11 comentários:

Anônimo disse...

Sabe o que acho mais interessante em vc? É que sua vida parece uma novela das oito, vivida intensamente. "Sei lá, sei lá, a vida é uma grande ilusão.Sei lá, sei lá, só sei que ela está com a razão" rsrs um beijo :*

Constância disse...

Gentem,nem que a gente tivesse sido criadas juntas seriamos tão parecidas.As pessoas tbm me acham metida,esnobe...Mas depois descobrem que sou mais,que vou além da minha ironia.E só quem me conhece pra entender isso.Tipo vc!
Amo-te amiga!!!

Maari Sala disse...

AAAAIIINNN!!
Acheeeei minha irmã gêmeaa, kakaka!
Poxa, Ju sou muito parecida com vc, orgulho ou não, pelo menos somos nós mesmas: ODEIO PIADINHAS, FALO NA LATA, CONVERSAS PELAS COSTAS NÃO É COMIGO, PREFIRO FALAR NA CARA, A NÃO SER QUE A PESSOA NÃO VALHA A PENA.
Já fiz um post beem parecido com o seu sobre assunto do gênero. Às vezes fico possessa com isso.
Digo que tem pessoas que me acham metida quando não me conhece, mas depois que isso acontece, tem certeza! Sou muito seleta.

Mas a gente se supera, errando, acertando, a vida é assim. Ócio do ofício de quem carrega personalidade forte, benhêe, rs.
Beeijos!

Luciana Lís disse...

Esse teu 'auto-retrato' ficou todo muito bom. Começando pelo título, viu como dá certo? Ficou ótimo!

Apesar das limitações que temos em falar do que é da gente mesmo, gostei da sua sinceridade, do que é legal e do que não é tão legal assim.

E o melhor:'de certa forma é bom surpreender as pessoas positivamente. '

;***

Patty disse...

JÚ....incrivel...como posso achar alguém tão igual a mim..a km de distância....não é a toa que me identifico tanto com o seu blog!!!
Sem te conhecer...te gosto muito viu....bjs estou meio sem tempo..mas não deixei de dar uma passadinha por aki!!! òtimo fim de semana.

Naiara disse...

E quem de nós não é um pouco de tudo isso que você falou não é mesmo? Seres em evolução é o que nós somos. Todos os dias erramos, acertamos e aprendemos e assim a vida segue. Ótimo texto :)

Lya Gomes disse...

minha amigaaa, é linda acima de tudooo!
te amooo!


[vou mostrar esse post pro Jullierme, vai querer se matar!]
bjus

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

tem dias qeu é preciso ser apenas humanos e não atores, aí ficamos cahatos

Tati disse...

adorei :)

disse...

É sempre bom encontrar gente de verdade.

July disse...

Jully....
Um dia o título do blog me chamou atenção. Eu estava num momento de mudanças e o vermelhas unhas numa tarde de verão me fez ter curiosidade e vim olhar despretensiosamente. Depois disso nunca mais consegui sair daqui teus textos me comovem, seus palavras sempre cheias de força e opinião me inspiram. Tua vida divertida, festeira. As viagens então me deixam aqui de água na boa só lamento uma coisa não morar pertinho de você para poder sair contigo nas quintas e quem sabe uma fotinha minha aparcer por aqui... rsssss
Continue sempre sendo você..
bjuss