quarta-feira, 5 de maio de 2010

Desafio Literário Abril - O amor nos tempos do cólera

Título Original: El amor en los tiempos del cólera
Publicado originalmente em:
1985
R$:
Emprestado da Lu, mas custa R$ 53,90 no Submarino
Sinopse: Trata-se da história de Florentino Ariza, Fermina Daza e Juvenal Urbino. Florentino se apaixona por Fermina ainda adolescente, o romance dura alguns anos e muitas cartas, mas ao regressar de uma viagem Fermina percebe que não ama o seu admirador, rejeita-o e casa-se com Urbino, com quem vive por quase cinquenta anos. O amor de Florentino, porém, persiste a vida inteira.

Sobre o autor: Gabriel García Márquez nasceu em Aracataca, em 6 de março de 1927, é escritor, jornalista, editor e ativista político colombiano. Recebeu o Nobel de Literatura de 1982, por sua obra, que entre outros livros inclui o aclamado Cem Anos de Solidão. Foi responsável por criar o realismo mágico na literatura latino-americana. Viajou muito pela Europa e vive atualmente em Cuba. Em 2009 declarou que se aposentou e não pretende escrever mais livros.
[CONTÉM SPOILLERS]
O amor nos tempos do cólera
é antes de mais nada um excelente livro. Gabriel García Marquez não tem o menor pudor de usar todos os recursos de sedução da língua para nos enredar, nos prender.
Neste livro a história gira em torno de uma louca perseverança de um amor frustrado. Florentino Ariza caiu nas redes do amor com 18 anos e se torna obcecado por Fermina Daza, uma jovem formosa e altiva. Após vencer suas resistências e graças a cumplicidade da tia Escolástica, inicia-se um cortejo com cartas e serenatas, nascendo uma relação platônica, já que as rígidas normas sociais e o orgulho altivo de Fermina impedem qualquer contato entre os namorados.
Quando seu pai descobre o namoro, Fermina Daza é obrigada a viajar para visitar a sua prima Hildebranda por uma longa temporada, e assim ela é afastada de Florentino, contudo ele trabalha na agência de telégrafo, o que lhe permite comunicar-se e manter-se em contato com ela. Ao regressar, a imagem idealizada de seu galã é confrontada por Fermina Daza com o homem real e a decepção a faz abandoná-lo sem nenhuma explicação, pois ela constata que não o ama. Meses depois, se casa com o doutor Juvenal Urbino e entra na alta sociedade, distanciando-se ainda mais do homem insignificante que engrandeceu em seus sonhos e acreditou amar.
Florentino Ariza dedica toda a sua vida a converter-se em um homem digno do amor de Fermina, sua vontade férrea leva-o a ser o gerente da Companhia Fluvial do Caribe, um cargo muito importante na cidade, sua vida se reduz a ver de longe as mudanças que o tempo produz em Fermina, a direcionar sua paixão para relações fogosas e instáveis e a expressar seu amor febril por meio de cartas que escreve para outros por encomenda. Somente um pensamento o anima, e é sua segurança de que Juvenal Urbino morrerá algum dia e que será antes dele.
Fermina demonstra ser em todo o livro uma mulher forte, mesmo quando passiva, fria ou um tanto cruel, mesmo sendo uma mulher do seu tempo, ela não tinha medo de medo de experimentar, de conhecer, de aceitar o novo em sua vida com aquela elegância inerente à sua personalidade.
Quando Juvenal Urbino morre, Florentino Ariza percebe que o momento pelo qual ansiou a vida inteira chegou. Havia se convertido em um homem culto e agradável. Então retoma sua devoção com cartas ainda mais apaixonadas que as da juventude e que pretendem atingir o duro coração de Fermina.
O amor entre os dois enfim floresce, quando à convite de Florentino Ariza os dois seguem em uma viagem fluvial, de reconhecimento e abandono aos últimos momentos de suas vidas.
É claro que é totalmente subjetivo acreditar num amor assim tão devotado e desprendido, mas aprendemos com o livro a acreditar em Florentino Ariza, pois Gabriel García Marquez mostra as pessoas e os sentimentos com olhos crus, os transforma em pessoas que podemos acreditar que existem, pessoas reais, com defeitos e qualidades, que erram e que se superam, que vivem suas vidas mundanas de acordo com a sua época. É uma viagem ao Caribe em uma época remota à maioria dos leitores e eu, particularmente, acho muito interessante conhecer culturas diferentes da minha.
O livro exigido para Maio é um chick-lit, ou seja, literatura mulherzinha, e vai ser muito difícil eu escolher qual irei ler. Claro que vou ler mais de um, não vou me contentar, rs, mas prometo escolher um bem bacana pra fazer a resenha e indicar pra vocês, tá?
Beijos, beijos!
Posts relacionados:

3 comentários:

Naiara disse...

eu gosto dessas tuas dicas de livro! pena que desde que eu acompanho o blog tu ja deu tres dicas e eu nao pude ler ;/ mas continue indicando uhaeuhe qlqr dia desses eu pego os tres e leio tuo tudo de uma vez ;D

Luciana Lís disse...

Ai, ai...
Sou super suspeita pra comentar, pq 'Cem anos de solidão' e 'O amor nos tempos do cólera' são os livros mais lindos e enriquecedores que já li na vida. Com um vocabulário invejável, um enredo que pode passear entre humor e tragédia, personagens tão distintos e fortes, o realismo fantástico que é uma das mais deliciosas peculiaridades do autor, enfim, tudo isso só pode tornar cada um de livros de 'Gabo' verdadeiras obras-primas.

Adorei, Ju!
;***

Natália disse...

Adorei, adorei, adorei.
Mais um livro que eu sempre tive vontade de ler e que a tua resenha me deixou com mais vontade ainda.
Esse e 'Cem Anos de Solidão' tão na minha lista dos próximos a serem lidos.

beijo, beijo =*