quinta-feira, 16 de setembro de 2010

.one day.


"Todos sabemos que cada dia que nasce é o primeiro para uns e será o último para outros e que, para a maioria, é so um dia mais."

(José Saramago)
A Lu me disse isso no dia do casamento da Martha e não consigo mais tirar da cabeça. Ela falava de como aquele dia seria especial na vida dela, de como ela deveria estar ansiosa e tudo mais. Como um único dia pode ser tão normal para uns e tão especial ou feliz para outros? Ou, sei lá, tão desastroso, tão triste, enfim, de toda forma decisivo na vida de uma pessoa e não fazer a menor diferença na vida da outra? Ser só mais um dia de preguiça, de tédio, em que nada de interessante aconteceu?
Não consigo parar de pensar nisso. Fico lembrando dos dias importantes da minha vida, dos dias em que fui tão feliz, como quando ganhei meus primeiros patins, ou quando passei no vestibular ou me formei em Secretariado Executivo. Ou tristes como quando meu tio e minhas avós morreram e quando papai e mamãe foram embora de Parnaíba da primeira vez, depois de me instalarem aqui e eu me senti tão sozinha e desamparada, numa cidade estranha. São tantas lembranças. A nossa vida é cheia de intrincadas possibilidades, os dias que fazem a diferença são os pequenos elos que nos ligam ao nosso futuro, ou como alguns acreditam, ao nosso destino.
A gente deveria saber quando esses momentos estão acontecendo. Seria tão mais fácil. Mas quem disse que viver é fácil, não é mesmo? Eu tenho um momento em que mudaria tudo, em que teria feito diferente, mas não posso voltar atrás, tenho que correr atrás do prejuízo, resolver o que restou disso, sofrer as consequências. Sem o apoio de algumas pessoas eu sei que não conseguiria. Vocês não tem nenhum momento assim? Decisivos, tristes, inesperados?
Alguém disse uma vez (mas não lembro mais de quem é esse pensamento) que o que importa mesmo são as coisas que acontecem com a gente. Por mais que fiquemos tristes com os fatores externos, as coisas capazes de nos abalar de verdade são aquelas que nos atingem diretamente. E o pior - melhor? - é que é verdade.

6 comentários:

Jady disse...

A velha história do "eu era feliz e não sabia". Quer saber? Depois de uma "certa idade" (cof cof cof) a gente começa a realmente perceber esse tipo de coisa. Começa a olhar o hoje e o agora de uma forma bem límpida... Aguarde. ;-) Beijo

Debora Giangiarulo disse...

Nossa quantos momentos inesperados. Confesso que sempre reagi muito mal nesses casos...a ideia de ter o controle sempre é muito forte dentro de mim...mas com o tempo as coisas estão melhorando. Não posso dizer ainda que aceito numa boa as coisas que são impostas pela vida, mas hoje já reajo de uma maneira um pouco melhor, me desapego do que passou com mais suavidade...e principalmente, repito para mim sempre: tudo passa...
Um beijo do bloco!

Luciana Lís disse...

Há dias indeterminados.
Mas são os determinados que nos fazem cortar o caminho, avançar uma estrada, soltar um pássaro, abrir o peito e encarar quem somos.

Linda reflexão, Ju.
Te amo
Beijo

.Intense. disse...

Amiga, deixa eu falar: fiquei completamente confusa com seu post. Achei que eu tinha entendido (tirando o último paragráfo), mas depois de ler os comentários, saquei que talvez eu não tenha entendido nada.


Sei que, lendo, eu lembrei de uma coisa que ouvi certa vez - talvez nada, talvez tudo a ver - : que diz que há sempre um momento do caminho, em que dizer sim ou não, pode mudar toda sua vida. Talvez seja melhor não saber de antemão quais são esses momentos, ou dias, mesmo. Eu por exemplo, ficaria completamente paranóica. Tento acreditar que vou colher o que plantar, mas não sei se saberia viver sabendo quais os dias mais férteis do meu campo, hahah. E se nesse dia eu estiver de pigue e não conseguir plantar nada? =p

Que a gente viva da melhor forma possivel, buscando o que buscamos: bem estar, tranquilidade, bons momentos. E que isso faça reflexo em todo o restante do caminho.

Carlos Henrique disse...

Um único momento é capaz de alterar o rumo da nossa vida mesmo, como será que lidaríamos com esse poder de decidir antes? Talvez fosse mais difícil do que vc supõe. Beijos, quero muito ver as fotos de vc no casamento da sua amiga.

Naiara disse...

O velho e bom 'aproveite o dia'. Engraçado como entramos nessa rotina e simplesmente esquecemos de aproveitar o dia, mais um dia, que pode ser o ultimo. Em tempo: Parabens pra Natalia (post anterior)