quarta-feira, 23 de novembro de 2011

10% do PIB na Educação Pública já!



Bom pessoal, eu sei que nem todo mundo se interessa por questões políticas ou de interesse coletivo, mas me sinto no dever de conscientizar vocês da importância de ser investido 10% do PIB já na Educação Pública desse país - já! Para vocês terem uma ideia, atualmente é investido cerca de 5%, sendo que no Plano Nacional de Educação que vigorou de 2001/2011 a meta estabelecida era chegar aos 7%, mais uma das metas que não foram cumpridas e que o Governo atual quer estender para 2021, ou seja praticamente 20 anos de atraso na Educação. 

O Brasil caminha para ser a 5ª economia mundial, mas temos a 3ª pior distribuição de renda do planeta. Isso sem falar que nossa média de escolaridade é de 7,2 anos, similar a do Zimbábue, que tem o pior IDH do planeta (nem moeda corrente eles tem!). Somos cerca de 14 milhões de analfabetos plenos (10% da população!) e 30 milhões de analfabetos funcionais (cerca de 1/4 da população!). 

Não podemos aceitar o argumento de que não há recursos para a Educação enquanto não falta para o pagamento da dívida pública (que compromete quase a metade do PIB), as isenções fiscais para o setor empresarial, o recurso público usado para a Copa e as Olimpíadas, o dinheiro público que se perde na corrupção. Há verba, é preciso reverter as prioridades, garantindo o investimento público na implementação dos direitos sociais universais. Sei que a maioria que lê esse blog é consciente e estão no grupo da população privilegiada, mas é importante que também façam a sua parte, votando, disseminando o plebiscito e até se engajando nessa campanha nacional. 

Votem a favor, pessoal! Procurem se informar quais escolas e universidades estão recebendo votos, é só clicar aqui.

Beijo, beijo!

Links relacionados:

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

.todos no meu coração.

Às vezes eu acho que o meu coração tem uma quantidade infinita de amor para dar. É tanta gente importante para mim, que se tornam indispensáveis. É claro que a minha família está em primeiro lugar, afinal são as pessoas que eu amo desde sempre, sem restrições. E quando eu posso estar pertinho deles é uma delícia! Adoro quando eles vem passar feriados em Parnaíba porque sempre é aquela festa, fico na expectativa e aproveito cada segundo.

Então que papai veio pra cá com meu irmão, Ítallo, minha cunhada, Thyara e minha sobrinha mais linda do mundo, Daisy. Não tem como, ela olha pra mim com aqueles olhos lindos dela e eu me derreto toda, ela faz o que quiser comigo. A gente faz tudo juntas, toma banho, passa hidratante uma na outra e até minha maquiagem ela quer fazer. É muito amor, gente!

Daisy e eu, no banquinho de namorar da minha casa, debaixo do pé de jambo

Fomos para praia todos os dias, Atalaia e Maramar, a preferida de papai. Daisy fez aquela farra, não quis sair da água nem um segundo e mesmo que passássemos protetor solar nela toda hora, não teve jeito, ela é muito branquinha e ficou uma camarãozinha. Ainda por cima, ela é uma bandoleira, todo mundo leva, simpática toda, rs, fez amizade com um monte de coleguinhas, brincou na areia, nas lagoinhas, no mar. A alegria de uma criança em momentos assim é indescritível.

Papai e eu
Daisy e Thyara
Passando protetor na careca do vovô
Thyara e Ítallo
Daisy e papai
Maramar

Na volta pra casa, passamos na árvore torta super badalada que todo mundo conhece e adora tirar foto. É claro que nós fomos lá também tirar a foto tradicional, puxando a árvore, que todo mundo tem, rs.

'Eu tenho a força!'
Árvore torta
Amo o vovô!
Papai s2
 Ela catou 'florzinha' pra todo mundo, fofa!
Camarãozinha linda da tia Ju
 

É claro que não poderiam faltar as baladinhas com os amigos queridos que por aqui estavam, né? Maurílio e Nayara vieram pro Seminário de Formação Sindical e aproveitaram pra passar o restante do feriado por aqui. Fomos pro Porto Salgado, bar do músico parnaibano Teófilo Lima, que eu adoro porque tem música de qualidade em um ambiente muito agradável, uma brisa maravilhooosa, à beira rio, no Porto das Barcas.

Eu, Nay e Ester
Cézar, Aline, eu e Ester
Mau e Nay
Amo todos!
Muito, muito amor!

No último dia de feriado, é claro que a gente ainda foi pra praia e Daisy, apesar de toda ardida, não aguentou a tentação e foi pra água de novo, dessa vez, além de protetor, ela tomou banho de vestido, pra ver se amenizava um pouco. Foi ótimo, com gostinho de quero mais já.

Orla da praia de Atalaia
Família: Ítallo, Daisy e Thyara
Thyara, papai e Daisy
 
Ela também faz o que quiser com o vovô
Amo demais!
Irmãos
Cara mais limpa
Tia Ju e vovô, by Daisy
Amores amados
Ela é a dona do meu coração
Dá pra resistir? Claro que não!
E no finalzinho da tarde fomos conferir o pôr-do-sol na Pedra do Sal, que a Nayara não conhecia. Dispensável dizer que lá é lindo demais, motivo pelo qual eu escolhi pra fazer meu ensaio. É claro que falta estrutura para receber turistas, mas a paisagem é de tirar o fôlego, vale super a pena.

Nay e eu
Nayara e Maurílio
'A pedra, o mar e sol'

Feliz, feliz, feliz demais com todas essas pessoas que eu amo tanto pertinho de mim, de ter momentos tão maravilhosos como esses, de estar em contato com tanta beleza, cortesia de Deus. São momentos assim que me inspiram a prosseguir, ainda com todas as adversidades, me renovando pra lutar pela felicidade.

Beijo, beijo!

 Post relacionado:

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

2011 foi um ano ruim

♪ Por Deus nunca me vi tão só
É a própria fé o que destrói
Estes são dias desleais ♪

(Metal contra as nuvens - Legião Urbana)

Tenho andado muito triste, sem vontade de escrever, sem inspiração. Para quem não sabe, meu avô faleceu na semana passada e apesar de ser um fato que alguém com 90 anos não tenha uma expectativa de vida muito alta, ainda assim é um choque, uma dor sem tamanho, mesmo que tenhamos que nos conformar com ela. O pior de tudo, nem é o dia do velório, enterro e tudo mais, mas a ausência que fica depois, o querer estar perto sem poder, o cheiro da pessoa amada que não mais podemos sentir. E para completar a minha tristeza, no mesmo dia que vovô foi enterrado, recebi a notícia do falecimento de outro ente querido, o marido da minha prima, Igor, que estava na UTI há quase 1 mês, infelizmente, desenganado pelos médicos, com septicemia. A morte de um rapaz de 25 anos, saudável, sem vícios, com a vida toda pela frente é uma dor bem diferente. É incompreensível. Só Deus para saber dos seus desígneos. Foi um baque, durante uns dias fiquei me sentindo anestesiada, impotente, sem forças.

Acho que por mais que a gente tente, nunca se acostuma com a perda de alguém querido. É claro que o tempo ameniza, porque senão não conseguiríamos prosseguir com a nossa vida, mas no fundo fica sempre um vazio. Já ouvi várias pessoas dizendo que temos que nos preparar para a morte, outras que devemos nos preocupar com a vida e já nem sei mais no que eu acredito, só sei que não me sinto preparada para perder mais ninguém. Por favor, Deus, alivia aí pra mim?

Não digo que este ano tenha sido ruim apenas por isso, aliás, nem digo que apenas 2011 foi ruim, 2010 também não foi esse mar de rosas, não. Ano passado aconteceu uma das maiores tragédias pessoais da minha vida, um fato que de tão íntimo, é também impublicável. E esse ano? Foram tantas coisas que eu já nem sei enumerar. Deve existir uma cota de merda que pode acontecer na vida da gente, porque, olha, eu bem que tô merecendo uns dias de alegria.

Sabe? Não é que eu não esteja tentando. Eu estou. Não é que eu não esteja procurando as melhores opções. Só que, às vezes, todas as opções são ruins. Não sei mais se tenho fé, me sinto descrente demais e acho que não consigo mais ver nada com desprendimento, sem julgar e condenar. É difícil ser uma pessoa otimista nos dias de hoje.

Desse ano eu não espero mais nada. Só que ele acabe.