quarta-feira, 25 de setembro de 2013

.alone.


Os dias tem se alternado entre bons e ruins, sei como funciona a lógica da coisa toda, no começo, mais ruins que bons até que um dia os bons se sobressaem, mas é difícil levar a vida enquanto os dias ruins ainda são maioria. 

Tenho pensado em muitas coisas, ponderado sobre as possibilidades, tentado me focar em coisas importantes, buscado novos desafios. É tão difícil abrir mão de sonhos e planos que construímos com outra pessoa, ainda mais quando há tanto envolvido. Não são os sentimentos apenas dessas pessoas que contam, quando a gente coloca na balança, muitas outras são afetadas.

Dói muito abrir mão. Não conseguir encontrar outras alternativas. Tentar minimizar os danos, para que reste carinho e respeito pelo que foi vivido. Ainda que estar só seja a melhor resposta para a situação, decidir por isso sempre vem com dúvidas, medo, insegurança.

Ficar sozinha não é o problema, já sou acostumada com essa independência, que como tudo, tem prós e contras, mas todo esse processo de desligamento é tão dolorido e desgastante. Não quero esquecer tudo o que vivi, só que é cedo demais para ficar rememorando tudo o que já não é mais. Preciso de espaço para me reconstruir, para superar. Alguns caminhos temos que percorrer sozinhos.


Um comentário:

anamyself disse...

Mas você É forte! E além do mais, sabe que o processo da dor é importante para começar uma nova etapa... Nessa hora, só podemos nos permitir sofrer. Essa ainda é a única maneira de limpar o passado e ter o real sentido da importância de tudo o que aconteceu, não?

=)