quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

.entretantos.


Eu não sei bem o que dizer pra explicar tanta coisa que aconteceu nesse ano que passou, amei, sofri, perdi pessoas que amava, aprendi, vivi e me reconstruí de muitas formas. Continuo a mesma pessoa, na essência, mas nunca a mesma do dia anterior. 

Tive depressão e poucas pessoas souberam, comecei a fazer terapia ainda em abril e estou em processo de alta. Me sinto bem, leve, feliz. Meu terapeuta é maravilhoso e me ajudou muito, ele diz que minha trajetória é incrível, que aprendeu muito comigo também e que hoje é feminista, preocupado com a situação social de vulnerabilidade da mulher. É bom saber que influencio as pessoas a pensarem diferente. 

Se olhar as fotos, bate até uma nostalgia, viajei muito esse ano: Rio Branco, Puerto Maldonado (Peru), Cobija (Bolívia), Brasília, Pedro II, São Paulo, São Luís e Belo Horizonte. Fui a muitas festas, casamentos, formaturas, aniversários, almoços em família. Fiquei muito com meus pequenos, me diverti muito com a minha família, me reconciliei com uma parte dela. Passei um natal e um reveillón excelentes, sem viajar pra lugar nenhum, rodeada das pessoas mais amadas e queridas. Conheci muitas pessoas e continuei amando e cativando meus amigos de sempre. Li muitos livros, assisti muitos filmes, sorri, chorei, mandei mensagens. Pouco escrevi, é verdade, mas muito registrei.

A militância, como sempre, tomou uma grande parte do meu tempo e energia e, de muitas formas, também foi onde me apeguei para não me deixar levar pela tristeza. Meu ideal de vida me dá esperança de construir um mundo melhor. Não é fácil, mas também não é impossível. Morrerei lutando e acreditando, pois hoje posso dizer sinceramente que o partido - e seus princípios - me fizeram uma pessoa melhor, mais tolerante com as diferenças, mais empática ao sofrimento dos outros. Os que acreditam em Deus podem achar que é obra d'Ele, como eu não creio, afirmo tranquilamente que não me importa discutir Sua existência, apenas ter a consciência da minha evolução como pessoa.

Estou a um passo de uma grande mudança, voltar para Teresina representa risos e lágrimas, às vezes fico insegura, outras saudosa, mas tenho confiança que tomei a melhor decisão, apenas verei isso a longo prazo, pois é difícil sair da zona de conforto. E esse ano vai ser um desafio, sob muitos aspectos, mas estarei sempre tentando dar o melhor de mim, mesmo quando o desânimo me pegar, porque eu lutei muito até aqui e entre tantos poréns, sobrevivi.

3 comentários:

Youko Watanabe disse...

Que ano! Importante é continuar trilhando e escrevendo a própria história, saudosa, cheia de boas memórias!! Que bom ler um post tão aconchegante! ;)

.Intense. disse...

O importante é que sim, você sobreviveu e foi além: está absolutamente livre, bem, feliz e leve agora. Isso é muito bom.

Me ressinto um pouco de ter estado mais ausente do que presente em 2013, mas de modo geral foi um ano em que vi as pessoas cairem muito nessa armadilha.

Esse ano eu tou aqui, do ladinho, e torcendo pra que vc mantenha a escrita - faz falta pra gente que lê tb!

Bjo intenso. E vermelho Chapolin ;)

Clesiana disse...

Quando eu crescer quero ser como vc. Tenho tanta admiração, respeito
e amor por vc ser quem és.Tão verdadeira, íntegra, corajosa, e uma das melhores das tuas qualidades que mais admiro: é como sabes com maestria ser amiga, não daquelas que se abre a boca e diz-se a palavra sem significado profundo, quando a palavra se torna apenas um vocativo, uma expressão qualquer, não esse tipo de amiga. Vc é do tipo amiga pra toda a vida independente de qualquer coisa sempre de forma sincera, honesta. A muito tempo não sentia novamente esse sentimento de amizade, na verdade tinha me fechado pra isso, mas quando me permiti abri, mesmo e apesar das decepções, duas pessoas queridas, muito queridas, cativaram de forma tão singela e honesta meu coração...e uma delas é vc... e desde então tens me presenteado com a alegria de ter esse sentimento de amizade, de compartilhar de uma amizade madura tão verdadeira que só de ouvir a voz, de conversar um pouco, de debater nossos pontos de vistas e maneiras de ver a vida, nos acalma, aconchega, faz feliz de verdade, nada forçado e nem para os outros. É tudo pra gente, algo que é nosso, só nosso, o nosso amor-amigo. E eu? Eu me sinto muito felizarda de ter vc na minha vida, ter termos nossa amizade. Despertamos-nos, conquistarmos-nos e vamos nos consolidando como amigas. E tudo isso que escrevi é por queria que soubesses que tenho muito orgulho da mulher que és, e de tê-la como uma das pessoas especiais da minha vida. E ao ler o seu texto a admiração pela sua coragem, me inspirou e me deixou feliz por saber que estás bem, estás feliz. bj bj bj